background image
Relatório Trimestral 4T08
out/nov/dez 2008
Antonio Sergio Alfano, Diretor Financeiro e de RI
Luiz Marciano Candalaft, Gerente de RI
Vinicius Campos, Analista de RI
Daniel Rosolen, Analista de RI
Tel: (11) 3046-8404/8416/8415
invest@klabin.com.br
Relações com Investidores:
Klabin eleva margens em cenário de
crise internacional
Destaques do 4T08
· A receita líquida totalizou R$ 806 milhões, 21% superior que o mesmo
trimestre do ano passado e 5% superior ao 3T08;
· O lucro bruto foi de R$ 248 milhões, com margem bruta de 31%, versus
R$ 171 milhões no 4T07 e margem bruta de 26%;
· A geração operacional de caixa (EBITDA) após os ajustes da Lei
11.638/07 foi de R$ 242 milhões no 4T08, com margem EBITDA de 30%.
O EBITDA antes da Lei 11.638/07 atingiu R$ 200 milhões, com margem
EBITDA de 25%;
· O volume de vendas de papéis e embalagens no 4T08 totalizou 393
mil toneladas, 15% e 1% superior ao 4T07 e ao 3T08, respectivamente;
· Forte posição de caixa: aplicações financeiras totalizavam R$ 1,7 bilhão
em 31 de dezembro.
Visite nosso site: www.klabin.com.br
R$ milhões - Lei 11.638/07
4T08
3T08
4T07
2008
2007
4T08/3T08 4T08/4T07 2008/2007
Receita Líquida
806
770
669
3.097
2.796
5%
21%
11%
% Exportações
35%
23%
23%
28%
26%
12 pp.
12 pp.
2 pp.
EBITDA
242
155
108
729
718
56%
124%
2%
Margem EBITDA
30%
20%
16%
24%
26%
10 pp.
14 pp.
-2 pp.
EBITDA antes da Lei 11.638/07
200
155
138
738
741
29%
45%
0%
Margem EBITDA
25%
20%
21%
24%
27%
5 pp.
4 pp.
-3 pp.
Resultado Líquido
-314
-256
53
-349
604
22,8%
-691,5%
-1,6
Resultado Líquido antes da Lei 11.638/07
-315
-253
72
-316
621
25%
-538%
-151%
Endividamento Líquido
3.748
2.771
2.007
3.748
2.007
35%
87%
87%
Endividamento Líquido/EBITDA (últ. 12 meses)
5,1
4,7
2,8
5,1
2,8
Investimentos
150
115
407
587
1.674
30%
-63%
-65%
Volume de vendas - mil t
393
388
341
1.579
1.437
1%
15%
10%
% Exportação
43%
36%
37%
39%
38%
7 pp.
6 pp.
1 pp.
background image
2
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Destaques de 2008
· Receita líquida totalizou R$ 3,1 bilhões, 11% superior ao ano anterior.
· Volume de vendas de 1.579 mil toneladas, 10% superior a 2007.
· Volume de vendas de cartões revestidos totalizou 506 mil toneladas,
43% superior a 2007.
· Volume exportado atingiu 623 mil toneladas, 14% superior a 2007.
· Conclusão e inauguração do Projeto de Expansão MA-1100.
· Máquina de Papel nº9 produziu mais de 280 mil toneladas de papéis e
cartões.
· Implementação do Novo sistema de Colheita Mecanizada e
investimentos em modernização e tecnologia florestal, concluídos no
Paraná e em fase de implantação em Santa Catarina.
· Lançamento de novos produtos como o Cartão Triplex e os Sacos de
Papel valvulados com manga externa revestida de polietileno.
· Novos equipamentos foram implantados para atualização tecnológica
das fábricas de embalagens.
· Distribuição de R$ 237 milhões em dividendos aos acionistas.
Nota: A Companhia adotou o cumprimento integral da Lei 11.638/07, das
normas expedidas pela CVM e da MP nº. 449/08 nas demonstrações
financeiras, as quais modificaram e introduziram novas disposições à Lei
6.404/76, visando alinhamento com as normas internacionais de
contabilidade (IFRS), as informações da Companhia relativas aos anos 2008
e 2007 são apresentadas com base na Lei 11.638/07 em números
consolidados, exceto onde esteja indicado de outra forma.
background image
3
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Ano de crescimento
O ano foi marcado por crescimento dos volumes de produção e vendas da Klabin refletindo a
nova capacidade produtiva da sua Unidade de Monte Alegre.
A Klabin promoveu importantes mudanças em sua estrutura organizacional com o
direcionamento dos negócios baseado no conceito da criação de valor, no modelo integrado
de negócios e na Política de Sustentabilidade, que observa os aspectos econômicos, sociais e
ambientais envolvidos em suas atividades.
A Companhia concluiu o Projeto de Expansão MA-1100, cuja inauguração ocorreu no dia 15
de setembro. O projeto não só aumentou a capacidade de produção da Unidade em 350 mil
toneladas por ano, elevando a capacidade da Unidade para 1,1 milhão de toneladas por ano,
mas também proporcionou uma importante renovação tecnológica na fábrica de Monte
Alegre.
Nas Unidades de Negócio, a Klabin desenvolveu inúmeros projetos visando sempre maior
geração de valor com cada vez menos recursos. Na Unidade de Negócios Florestal, foi
implantado o Novo Sistema Mecanizado de Colheita mais moderno e seguro que reduziu a
quebra de árvores e possibilitou aumento de produtividade. A Unidade de Negócio Papéis
desenvolveu produtos com menores gramaturas mantendo as mesmas propriedades
técnicas, garantindo a mesma qualidade e resistência além de melhora da produtividade. A
Unidade de Negócio de Embalagens adquiriu novas impressoras e investiu na inovação
tecnológica das onduladeiras, aumentando a capacidade de produção nas unidades Jundiaí,
Betim e São Leopoldo. A Unidade de Negócio Sacos Industriais prosseguiu com
investimentos em automação nas linhas de produtos para aumento de produtividade e
desenvolveu sacos multifolhados com manga externa de polietileno para embalagens de
farinha de trigo.
Em 2009 a Klabin completa 110 anos, permanecendo como referência mundial na fabricação
competitiva de papéis e cartões para embalagens e embalagens de papel e como líder nos
mercados em que atua, promovendo o desenvolvimento sustentável e inovando em serviços
e produtos.
Cenário econômico
O primeiro semestre do ano foi marcado por sucessivos recordes do preço do petróleo
aliados ao aumento do preço das commodities e à apreciação das moedas frente ao dólar,
incentivando a importação de produtos embalados em detrimento dos produtores nacionais,
inclusive Klabin. Este cenário trouxe sensíveis pressões inflacionárias e, consequentemente,
aumento de custos em diversos setores industriais. A obtenção do grau de investimento pelo
Brasil e uma expectativa de que o desempenho nos mercados emergentes compensaria a
desaceleração nos países desenvolvidos fez com que o Ibovespa superasse 70 mil pontos.
A partir do terceiro trimestre do ano houve uma rápida reversão do cenário econômico até
então conhecido. Houve grande desconfiança da liquidez dos tomadores de crédito, o preço
do petróleo caiu brutalmente e o real perdeu força. O desaquecimento da demanda na China
justificou parte da queda do preço das commodities. O aperto monetário encareceu o crédito
e o Ibovespa despencou para 30 mil pontos.
A crise internacional afetou a demanda de papéis, que apresentou queda nos últimos meses
do ano em todas as regiões. A oferta permaneceu em níveis estáveis e com isso ocorreu
aumento nos estoques. Assim como o preço de celulose, os preços mundiais de papéis foram
influenciados pelo baixo consumo e começaram a cair. Tal cenário justificou fechamentos de
capacidade temporários e permanentes presenciados no setor nos últimos meses do ano. De
acordo com estimativas da Resource Information Systems Inc. (RISI) aproximadamente 1,6
background image
4
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
milhão de toneladas de papéis deixou de ser produzida no quarto trimestre de 2008 na
América do Norte, Europa e Ásia.
No Brasil a queda de demanda no 4T08 foi constatada nos segmentos de papelão ondulado.
Os números preliminares da ABPO (Associação Brasileira do Papelão Ondulado) indicaram
que o mês de dezembro apresentou o pior volume de vendas desde fevereiro de 2005.
A taxa de câmbio (final venda), que iniciou o ano cotada a R$ 1,77 / US$, chegou a atingir
R$ 1,56 / US$ no primeiro dia de agosto de 2008 e fechou a R$ 2,34 / US$ em dezembro,
representando variação de 32% em relação a 31 de dezembro de 2007. A taxa de câmbio
média no ano foi de R$ 1,84 / US$, variação negativa de 6% em relação ao ano anterior.
Desempenho Operacional e Econômico-Financeiro
Volume de Vendas
O volume de vendas no 4T08, sem incluir madeira, foi de 393 mil toneladas, 15% superior
ao 4T07 e 1% superior ao 3T08. Em 2008 o volume de vendas atingiu 1.579 mil toneladas.
O volume exportado no 4T08 totalizou 169 mil toneladas, 33% e 20% superior ao 4T07 e ao
3T08 respectivamente. O volume de vendas no mercado interno foi de 224 mil toneladas,
5% superior em relação ao 4T07 e 9% inferior ao 3T08.
Em 2008, o volume de vendas de cartões representou 32% das vendas totais, ante 25% em
2007.
Volume de Vendas por Mercado Volume de Vendas por Produto ­ 2008
Mil toneladas
Receita Líquida
A receita líquida no 4T08, incluindo madeira, totalizou R$ 806 milhões, 21% e 5% superior
ao 4T07 e ao 3T08, respectivamente. No ano, a receita líquida foi de R$ 3,1 bilhões.
Sacos
Industriais
8%
Outros
3%
Kraftliner
29%
Cartões
Revestidos
32%
Caixas
de P .O.
28%
não inclui madeira
393
388
341
1.579
1.437
4T08
3T08
4T07
2008
2007
Mercado Interno
Mercado Externo
43%
57%
36%
63%
37%
64%
61%
39%
62%
38%
background image
5
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Em 2008, a receita líquida de cartões representou 30% da receita total, versus 25% em
2007.
Receita Líquida por Mercado Receita Líquida por Produto ­ 2008
R$ milhões
Destino das Exportações
Volume ­ 2008 Receita Líquida ­ 2008
623 mil toneladas R$ 852 milhões
806
770
669
3.097
2.796
4T08
3T08
4T07
2008
2007
Mercado Interno
Mercado Externo
65%
35%
77%
23%
77%
23%
72%
28%
74%
26%
M adeira
6%
Sacos
Industriais
13%
Outros
2%
Kraftliner
18%
Cartões
Revestidos
30%
Caixas
de P.O.
31%
inclui madeira
África
9%
A mérica
Latina
39%
América
do No rte
8%
Ásia
18%
Euro pa
26%
Europa
23%
Ásia
21%
América
do Norte
8%
A mérica
Latina
41%
Africa
7%
background image
6
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Resultado Operacional
O custo dos produtos vendidos no 4T08 foi de R$ 558 milhões, 12% superior ao 4T07 e
5% inferior ao 3T08, influenciado principalmente pelo maior de volume em relação ao ano
anterior, pelo aumento da depreciação, pela maior participação de cartões no mix de
produtos e pela elevação dos custos dos insumos de produção, com destaque para produtos
químicos, energia elétrica e óleo combustível, além de custos adicionais decorrentes das
dificuldades com a entrada em operação do projeto de expansão em Monte Alegre.
As despesas com vendas no 4T08 atingiram R$ 91 milhões, 42% e 24% superior ao 4T07
e ao 3T08, respectivamente, refletindo o acréscimo do volume exportado. No último
trimestre do ano, os fretes corresponderam a R$ 59 milhões, representando 64% do total
das despesas com vendas.
As despesas gerais e administrativas foram de R$ 47 milhões no 4T08, 5% e 13%
inferior ao 4T07 e ao 3T08 respectivamente.
Outras receitas operacionais totalizaram R$ 24 milhões no 4T08, versus despesas de
R$ 11 milhões no 4T07.
O resultado operacional antes do resultado financeiro (EBIT) no 4T08 foi de R$ 134
milhões, 187% e 155% superior ao 4T07 e ao 3T08, respectivamente.
Geração Operacional de Caixa (EBITDA)
A geração operacional de caixa (EBITDA) após a Lei 11.638/07 no 4T08 foi de R$ 242
milhões, 124% e 56% superior ao 4T07 e ao 3T08, respectivamente. A margem EBITDA foi
de 30%, incremento de 14 p.p. e de 10 p.p. em relação ao 4T07 e ao 3T08.
O EBITDA antes da Lei 11.638/07 no trimestre foi de R$ 200 milhões com margem EBITDA
de 25%.
O EBITDA sofreu ajustes da Lei 11.638/07, que tem como objetivo aproximar as normas
contábeis brasileiras às normas internacionais. A conciliação com a Lei 6.404/76 é feita da
seguinte forma:
Evolução do EBITDA e Margem EBITDA
Após a Lei 11.638/07
210
199
201
108
191
141
155
242
30%
28%
28%
16%
26%
18%
20%
30%
1T07
2T07
3T07
4T07
1T08
2T08
3T08
4T08
EBITDA - R$ M ilhões
M argem EBITDA
background image
7
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
As alterações completas encontram-se nos anexos deste relatório.
Resultado financeiro e endividamento
O endividamento bruto em 31 de dezembro de 2008 era de R$ 5.451 milhões, comparado
com R$ 4.901 em 30 de setembro de 2008, um aumento de R$ 550 milhões. Este acréscimo
é decorrente principalmente da valorização do dólar frente ao real de 22% no 4T08 (taxa
final), que gerou uma perda de variação cambial líquida, sem efeito caixa, de R$ 477
milhões. O reflexo desta desvalorização do real deverá beneficiar o total das receitas de
exportações e, ao longo dos anos, mais do que compensar as perdas imediatas ocorridas
nas despesas financeiras. Da dívida total, R$ 2.963 milhões (54%) são denominados em
moeda estrangeira, equivalente a US$ 1.268 milhões, substancialmente, pré-pagamento de
exportações.
O prazo médio de vencimento dos financiamentos é de 48 meses, sendo 41 meses
para os financiamentos em moeda local e 54 meses para os financiamentos em moeda
estrangeira. A dívida de curto prazo no final de 2008 responde por apenas 9% do total.
No ano 2008 as liberações de recursos do BNDES para o Projeto de Expansão MA-1100
atingiram R$ 294 milhões, totalizando R$ 1.632 milhões desde o início do projeto.
A Companhia mantém a estratégia financeira focada na manutenção de elevada posição
disponível de caixa, e longo perfil de endividamento. No final de dezembro as aplicações
financeiras somavam R$ 1,7 bilhão, valor que supera as amortizações de financiamentos a
vencer nos próximos 2,5 anos.
O endividamento líquido em 31 de dezembro de 2008 era de R$ 3,7 bilhões.
Resultado Líquido
O prejuízo líquido apurado no 4T08 antes dos ajustes da Lei 11.638/07 foi de R$ 315
milhões. Após a Lei 11.638/07, o prejuízo líquido apurado foi R$ 314 milhões. O prejuízo
líquido deve-se, principalmente, à perda financeira decorrente dos efeitos da desvalorização
do real frente ao dólar.
O Resultado Líquido sofreu ajustes da Lei 11.638/07, que tem como objetivo aproximar as
normas contábeis brasileiras às normas internacionais. A conciliação com a Lei 6.404/76 é
feita da seguinte forma:
Local
Estrangeira
R$
%
Local
Estrangeira
R$
%
Curto Prazo
396
83
479
9%
223
76
299
6%
Longo Prazo
2.092
2.880
4.972
91%
2.221
2.381
4.602
94%
Endividamento Bruto
2.488
2.963
5.451
2.444
2.457
4.901
Caixa e Apl. Fin. e Títulos e Val. Mob.
(1.703)
(2.130)
Endividamento Líquido
3.748
2.771
Financiamento
(R$ milhões)
31/12/2008
30/9/2008
Moeda
Total
Moeda
Total
R$ milhões
4T08
3T08
4T07
2008
2007
EBITDA
242
155
108
729
718
Ajustes lei 11.638/07:
.Reclassificação de não operacionais
(45)
(1)
(7)
(46)
(13)
.Gastos pré-operacionais baixados do ativo diferido
3
(0)
36
56
36
EBITDA Lei 6.404/76
200
155
138
738
741
background image
8
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Evolução dos Negócios
UNIDADE DE NEGÓCIO - FLORESTAL
A Klabin movimentou 2,1 milhões de toneladas de toras de pinus e eucalipto, cavacos e
resíduos para a produção de energia no 4T08, volume 17% superior ao 4T07 e 3% inferior
em relação ao 3T08. Deste total, 1,6 milhões de toneladas foram transferidas para as
fábricas do Paraná, Santa Catarina e São Paulo.
O volume de vendas de toras para serrarias e laminadoras foi de 427 mil toneladas no 4T08,
20% e 31% inferior ao 4T07 e ao 3T08.
A receita líquida das vendas de toras de madeira para terceiros no 4T08 foi de R$ 38
milhões, 21% e 28% inferior ao 4T07 e ao 3T08, respectivamente.
A contínua retração no mercado de construção residencial nos Estados Unidos exerce
influência negativa sobre as vendas de madeira para terceiros. Os clientes da Klabin, em
contrapartida, têm direcionado suas vendas para a Europa e principalmente para o mercado
interno.
Em dezembro, a taxa anual com ajuste sazonal do início de construção de novas
unidades residenciais privadas nos EUA foi de 550 mil, 16% e 45% inferior a dezembro de
2007 e novembro de 2008, respectivamente.
No final de dezembro as áreas plantadas, próprias e de terceiros, somavam 224 mil
hectares, sendo 155 mil hectares plantados com pinus e araucária e 69
mil hectares
plantados com eucalipto, além de 187 mil hectares de áreas de preservação permanente e
reserva legal. Em linha com o aumento da capacidade em curso e expansões futuras, a
companhia continua investindo no incremento da área florestal própria e via parcerias,
arrendamento e programa de fomento.
No 4T08 foi praticamente concluída a instalação do Novo Sistema de Colheita no Paraná. Em
Santa Catarina, a instalação está nos estágios finais. O Novo Sistema de Colheita tem
aumentado a produtividade das operações florestais da Klabin, além de reduzir os custos da
colheita, proporcionar maior segurança ao trabalhador e aperfeiçoar o processo de produção
de biomassa, utilizada como fonte de energia.
UNIDADE DE NEGÓCIO - PAPÉIS
O volume de vendas de papéis e cartões revestidos para terceiros foi de 247 mil toneladas
no 4T08, 26% e 6% superior ao 4T07 e ao 3T08, respectivamente. Em 2008, o volume de
vendas atingiu 964 mil toneladas.
A receita líquida de papéis e cartões totalizou R$ 419 milhões no 4T08, 45% e 19% superior
ao 4T07 e 3T08, respectivamente. No ano, a receita foi de R$ 1.480 milhões.
R$ milhões
4T08
3T08
4T07
2008
2007
Lucro Líquido
(314)
(256)
53
(349)
604
Ajustes Lei 11.638/07:
.Gastos pré-operacionais baixados do ativo diferido
(0)
(3)
36
47
36
.Financeiras
(3)
4
(5)
(0)
(6)
.Efeito do IR e CS
2
1
(12)
(14)
(12)
Lucro Líquido ajustado a Lei 6.404/76
(315)
(253)
72
(316)
621
background image
9
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
As exportações no 4T08 somaram 162 mil toneladas, 39% e 23% superiores que o 4T07 e o
3T08, respectivamente. No 4T08, as exportações representaram 66% do volume total
vendido pela unidade.
No processo de melhoria contínua, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento
permitiram desenvolver produtos com menor gramatura e melhor desempenho em 2008.
Nos segmentos de cartões revestidos e kraftliner a redução de gramatura variou entre 4% e
10% mantendo as mesmas características técnicas estruturais e qualidade. Além da
vantagem econômica, há também o ganho ambiental, com o uso de menos fibras para
fabricar a embalagem.
Kraftliner
O volume de vendas de kraftliner foi de 120 mil toneladas no 4T08, 9% e 21% superior ao
4T07 e ao 3T08, respectivamente. As vendas para o mercado externo atingiram 104 mil
toneladas no 4T08, equivalente a 87% das vendas totais deste produto. O maior volume de
transferência para as fábricas de caixas de papelão, reduziu o volume de vendas para o
mercado doméstico. Deste modo, as vendas para este mercado atingiram 16 mil toneladas
no 4T08, um decréscimo de 3% e 39% em relação ao 4T07 e ao 3T08.
A receita líquida de kraftliner atingiu R$ 166 milhões no 4T08, 36% e 42% superior ao 4T07
e ao 3T08, respectivamente.
O cenário de taxa de câmbio mais favorável elevou os preços na moeda nacional e os
volumes de vendas para o mercado externo aumentaram sua participação dentro do mix de
vendas totais da Companhia. Em 2008, segundo dados do Foex, o preço internacional médio
do kraftliner foi de US$ 732/t, 2% superior em relação à média de 2007.
Cartões
O volume de vendas de cartões no 4T08 atingiu 127 mil toneladas, 49% superior ao 4T07 e
5% inferior ao 3T08, devido principalmente à sazonalidade que afeta o mercado de consumo
no último trimestre do ano. A receita líquida atingiu R$ 253 milhões no 4T08, 52% e 8%
superior ao 4T07 e ao 3T08, respectivamente.
Preço Kraftliner x Taxa de Câmbio
732
720
602
539
1329
1398
1318
1308
1,95
1,83
2,18
2,43
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
1600
1800
1T05 2T05 3T05 4T05 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08
1,50
1,70
1,90
2,10
2,30
2,50
2,70
2,90
Preço Médio Foex (US$)
Preço Médio Foex (R$)
R$/US$
Fonte: FOEX - Kraftliner bro wn 175 g/m
2
- PIX P ACKAGING EUROPE Benchmark Indexes
R $ / US $
P re ç o
background image
10
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
As exportações de cartões somaram 57 mil toneladas no 4T08, 158% superior ao 4T07 e
estável em relação ao 3T08.
De acordo com os dados divulgados pela Associação Brasileira de Celulose e Papel ­
Bracelpa ­ as vendas de papel cartão (excluindo cartões para líquidos) no mercado
doméstico, caíram 9% e 15% em relação ao 4T07 ao 3T08, respectivamente. No ano de
2008 a expedição cresceu 1% em comparação ao ano anterior, atingindo 508 mil toneladas.
O market share da Companhia nas vendas para o mercado interno atingiu 18% em
dezembro, comparado com 13% em 2007.
A apreciação do dólar frente ao real, a redução dos custos com fretes para os mercados
externos e a melhoria do desempenho dos cartões aumentaram a competitividade da Klabin
frente aos concorrentes internacionais, possibilitando aumentar a participação em mercados
já atendidos, e a entrada em novos mercados e colocando a Companhia em posição
privilegiada para enfrentar concorrência mais acirrada neste segmento.
UNIDADE DE NEGÓCIO - PAPELÃO ONDULADO
Segundo informações preliminares da Associação Brasileira do Papelão Ondulado ­ ABPO - a
expedição de caixas e chapas de papelão ondulado no 4T08 permaneceu no mesmo nível de
2007, e decresceu 7% em relação ao trimestre anterior. Em 2008, o volume expedido de
2,27 milhões de toneladas, 1% superior ao ano de 2007.
A expedição da Klabin atingiu 105 mil toneladas no 4T08, estável em relação ao 4T07 e 6%
inferior ao 3T08. Em 2008, a participação de mercado da Klabin manteve-se em 20%.
A receita líquida do 4T08 totalizou R$ 230 milhões, 3% superior ao 4T07 e 6% inferior ao
3T08.
Os volumes de vendas foram afetados, principalmente, pela redução sazonal dos pedidos no
último trimestre do ano, o que é recorrente no mercado de caixas de papelão ondulado, e
também por dificuldades que os produtores de frigorificados enfrentaram na exportação de
seus produtos.
Expedição brasileira de papelão ondulado -
mil toneladas
533
496
533
549
560
556
551
4T02
4T03
4T04
4T05
4T06
4T07
4T08
Fonte: ABPO
background image
11
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Em novembro, as chuvas e as enchentes castigaram a cidade de Itajaí (SC), afetando a
produção da unidade de papelão ondulado da Klabin na cidade. A fábrica não foi atingida
pela enchente, porém os funcionários não puderam chegar às instalações fabris.
UNIDADE DE NEGÓCIO - SACOS INDUSTRIAIS
O volume de vendas de sacos industriais nas unidades do Brasil e Argentina no 4T08
totalizou 29 mil toneladas, 11% e 9% inferior em comparação ao 4T07 e ao 3T08,
respectivamente.
A receita líquida no 4T08 foi de R$ 102 milhões, 4% superior em relação ao 4T07 e 4%
inferior em relação ao 3T08. No 4T08, o preço dos sacos industriais aumentou 9% em
comparação ao 4T07.
O volume de vendas de sacos industriais das unidades Brasil e Argentina em 2008 totalizou
127 mil toneladas, 1% inferior a 2007, com receita líquida de R$ 411 milhões, incremento
de 5% em relação a 2007.
Segundo dados preliminares do Sindicato Nacional da Indústria de Cimento, principal
consumidora de sacos industriais no Brasil, o consumo em 2008 cresceu aproximadamente
14% em relação ao ano de 2007. O gráfico abaixo ilustra a evolução desse mercado nos
últimos 3 anos.
Em 2008 a Unidade de Sacos Industriais continuou seus programas de aumento de
produtividade e também investiu no lançamento de produtos, como os novos sacos de papel
multifolhados com manga externa revestida de polietileno desenvolvida para embalar
farinha de trigo.
Consumo Nacional de Cimento
milhões de toneladas
2,0
3,0
4,0
5,0
jan
fev
mar
abr
mai
jun
jul
ago
set
out
nov
dez
2006
2007
2008
Fonte: Sindicato Nacio nal da Indústria do Cimento
background image
12
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Mercado de Capitais
O gráfico a seguir apresenta a evolução das ações preferenciais da Klabin e do Ibovespa:
No 4T08, as ações preferenciais da Klabin (KLBN4) apresentaram desvalorização nominal de
16,4% e o IBOVESPA 24,2%. As ações da companhia foram negociadas em todos os
pregões da BOVESPA registrando 90.648 operações que envolveram 101,9 milhões de
títulos e um volume médio diário negociado de R$ 5,6 milhões.
As ações da Klabin também são negociadas no mercado norte-americano. Como ADRs
Nível I, os títulos são listados no OTC ("over-the-counter"), mercado de balcão, sob o código
KLBAY.
O capital social da Klabin é representado por 917,7 milhões de ações, das quais 316,8
milhões de ações ordinárias e 600,9 milhões de ações preferenciais. Em 31 de dezembro, a
Companhia mantinha 16,9 milhões de ações preferenciais em tesouraria.
Ações Preferenciais
600,9 milhões
Preço por ação (KLBN4)
R$ 3,31
Valor Patrimonial da Ação
R$ 2,45
Volume Médio Diário 4T08
R$ 5,6 milhões
Valor de Mercado
R$ 3,0 bilhões
Em 31 de dezembro 2008
KLBN4 x IBOVESPA
Base 100 = 31/12/07
30
40
50
60
70
80
90
100
110
120
dez/07
mar/08
jun/08
set/08
dez/08
KLBN4
IBOVESPA
-41.2%
-49.9%
background image
13
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Dividendos
Em 2008 foram pagos R$ 237 milhões em dividendos, sendo R$ 120 milhões
correspondentes a dividendos complementares ao ano de 2007 e R$ 117 milhões de
dividendos intermediários referentes a 2008, utilizando-se reserva de lucros.
Investimentos
Os investimentos realizados no ano estão especificados a seguir:







Na complementação do Projeto MA-1100, em março foi entregue o Turbo Gerador 8 e no
início do segundo semestre entrou em operação a nova Caldeira a Biomassa em Monte
Alegre. Em setembro de 2008 o Projeto de Expansão MA-1100 foi oficialmente inaugurado.
Também em Monte Alegre, foram feitos importantes investimentos na área de expedição da
fábrica, com o objetivo de atingir maior qualidade e velocidade de carregamento para o
transporte da nova capacidade de produção. O depósito de papel foi ampliado, o sistema de
expedição ferroviária foi reformado para se adequar à ampliação e foram instaladas docas
adicionais para carregamento dos caminhões.
Em 2008, a Unidade Florestal investiu na compra de terras e florestas, pesquisa e
desenvolvimento e em equipamentos para os novos Sistemas Mecanizados de Colheita de
madeira nos estados do Paraná e Santa Catarina.
A Unidade de Negócio de Papelão Ondulado está aumentando a produtividade nas fábricas
localizadas nas Regiões Sul e Sudeste. Este programa incluiu aquisição de novas
impressoras e atualização tecnológica de onduladeiras e outros equipamentos.
Para a Unidade de Sacos Industriais foram realizados investimentos em projetos de
inovação, modernização tecnológica, automação de processos produtivos e lançamento de
novos produtos.
Futuro
Os investimentos implementados em 2008 já trazem resultados para a Companhia. O novo
Sistema de Colheita implantado no Paraná e em implantação em Santa Catarina permite
reduzir os custos da madeira e aumentar a capacidade de colheita de resíduos florestais,
contribuindo para incrementar a participação de combustível renovável e reduzir os custos
de geração de energia elétrica.
Os equipamentos instalados durante o Projeto de Expansão MA-1100 avançam na curva de
aprendizado e elevam a produtividade e a excelência operacional da Unidade Monte Alegre.
2008
2007
Florestal
301
307
Papéis
231
1.272
Embalagens
52
31
Sacos Industriais
2
44
Outros
2
20
Total
587
1.674
Realizado
R$ milhões
background image
14
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
A melhoria operacional, aliada à apreciação das moedas estrangeiras frente ao real, coloca
os produtos da Klabin em posição competitiva privilegiada para enfrentar o período de
turbulência provocado pela crise internacional. A Companhia busca preservar seu capital de
giro, perfil de endividamento de longo prazo e, principalmente, seu caixa disponível como
estratégia para atravessar este período de escassez de crédito e alta dos juros decorrentes
das instabilidades do mercado financeiro mundial.
Com o objetivo de manter sua competitividade em cenário de incertezas, a Klabin trabalha
tanto na redução de custos e de despesas fixas e variáveis como na otimização da qualidade
e produtividade de suas fábricas. Em 2009, a Companhia irá priorizar os investimentos
correntes, que são necessários para segurança, qualidade e continuidade operacional.
Teleconferência
Sexta-feira, 13 de março de 2009 ­ 10h00 (Brasília).
Senha: Klabin
Telefone: (11) 4688-6301
Replay: (11) 4688­6312 ­ Senha: 453
Conference Call
Friday, March 13
th
, 2009 ­ 10:00 a.m. (N.Y.) / 11:00 a.m. (Brasília)
Password: Klabin
Phone: U.S. participants: 1-888-700-0802
International participants: 1-786-924-6977
Brazilian participants: (55 11) 4688-6301
Replay: (55 11) 4688­6312 ­ Password: 855
Webcast
O áudio da Teleconferência também será transmitido pela internet.
Acesso:
www.ccall.com.br/klabin

Com uma receita bruta de R$ 3,4 bilhões, em 2008, a
Klabin
é a maior produtora integrada
de papel para embalagem do Brasil, com capacidade de produção de 2,0 milhões de
toneladas anuais de produtos. A Companhia definiu como enfoque estratégico a atuação nos
seguintes negócios: papéis e cartões revestidos para embalagens, caixas de papelão
ondulado, sacos industriais e madeira. Lidera todos os mercados em que atua.
Declarações contidas neste comunicado relativas à perspectiva dos negócios da Companhia, projeções de resultados
operacionais e financeiros e relativas ao potencial de crescimento da Companhia constituem-se em meras previsões
e foram baseadas nas expectativas da Administração em relação ao futuro da Companhia. Essas expectativas são
altamente dependentes de mudanças no mercado, no desempenho econômico geral do Brasil, na indústria e nos
mercados internacionais, estando, portanto, sujeitas à mudança.
background image
15
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Anexo 1
Demonstração do Resultado Consolidado
Legislação Societária ­ Lei 11.638/07(R$ mil)
15
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
4T08
3T08
4T07
2008
Receita Bruta
959.446
926.747
812.244
3.714.242
3.365.195
Receita Líquida
805.729
770.201
668.650
3.096.580
2.796.442
100,0%
100,0%
100,0%
100,0%
Custo dos Produtos Vendidos
(557.908)
(585.280)
(497.385)
(2.286.667)
(1.870.122)
69,2%
76,0%
74,4%
73,8%
Lucro Bruto
247.821
184.921
171.265
809.913
926.320
30,8%
24,0%
25,6%
26,2%
Vendas
(91.302)
(73.584)
(64.205)
(318.333)
(264.241)
11,3%
9,6%
9,6%
10,3%
Gerais & Administrativas
(46.986)
(53.790)
(49.571)
(185.727)
(180.795)
5,8%
7,0%
7,4%
6,0%
Outras Rec. (Desp.) Oper.
24.396
(5.085)
(10.771)
19.246
(7.147)
3,0%
0,7%
1,6%
0,6%
Total Despesas Operacionais
(113.892)
(132.459)
(124.547)
(484.814)
(452.183)
14,1%
17,2%
18,6%
15,7%
Resultado Oper. antes Desp. Fin.
133.929
52.462
46.718
325.099
474.137
16,6%
6,8%
7,0%
10,5%
Resultado de Equivalência Patrimonial
(178)
(39)
(238)
(200)
0,0%
0,0%
0,0%
0,0%
Despesas Financeiras
(149.232)
(126.613)
(91.279)
(441.701)
(242.992)
18,5%
16,4%
13,7%
14,3%
Receitas Financeiras
7.065
60.585
58.293
210.507
292.495
0,9%
7,9%
8,7%
6,8%
Variações Cambiais Líquidas
(476.661)
(385.363)
73.219
(674.014)
301.399
59,2%
50,0%
11,0%
21,8%
Financeiras Líquidas
(618.828)
(451.391)
40.233
(905.208)
350.902
76,8%
58,6%
6,0%
29,2%
Lucro antes I.R. Cont. Social
(484.899)
(399.107)
86.912
(580.347)
824.839
60,2%
51,8%
13,0%
18,7%
Prov. IR e Contrib. Social
171.759
145.808
(29.447)
240.915
(206.227)
21,3%
18,9%
4,4%
7,8%
Partic. dos Minoritários
(1.029)
(2.409)
(4.411)
(9.214)
(14.989)
0,1%
0,3%
0,7%
0,3%
Lucro Líquido
(314.169)
(255.708)
53.054
(348.646)
603.623
39,0%
33,2%
7,9%
11,3%
Depreciação/Amortização/Exaustão
107.981
102.895
61.416
403.698
243.892
13,4%
13,4%
9,2%
13,0%
EBITDA
241.910
155.357
108.134
728.797
718.029
30,0%
20,2%
16,2%
23,5%
% da Receita Líquida
2008
2007
4T08
4T07
3T08
background image
16
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Anexo 2
Balanço Patrimonial Consolidado
Legislação Societária - Lei 11.638/07 (R$ mil)
16
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Ativo
31/12/2008
31/12/2007
Passivo e Patrimônio Líquido
31/12/2008
31/12/2007
Ativo Circulante
3.180.419
3.017.821
Passivo Circulante
843.368
926.984
Caixa e bancos
104.586
224.221
Empréstimos e Financiamentos
479.262
243.309
Aplicações financeiras
1.190.591
1.874.420
Fornecedores
215.546
373.463
Títulos e valores mobiliários
407.521
-
Imposto de renda e contribuição social
764
31.125
Clientes
633.080
434.357
Impostos a recolher
42.152
42.483
Estoques
437.092
336.146
Salários e encargos sociais
59.661
69.350
Impostos e contribuições a recuperar
326.969
66.516
Dividendos a pagar
-
120.002
Outros
80.580
82.161
Outros
45.983
47.252
Não Circulante
5.123.843
4.009.442
Empréstimos e Financiamentos
4.971.637
3.862.226
Outros
152.206
147.216
Não Circulante
5.061.781
4.760.561
Participações dos Minoritários
27.974
128.365
Realizável a Longo Prazo
Imp. renda e contrib. social diferidos
314.062
70.786
Patrimônio Líquido
2.247.015
2.713.591
Impostos a compensar
206.514
367.482
Capital Social Realizado
1.500.000
1.500.000
Depósitos judiciais
79.793
84.574
Reservas de Capital
84.491
84.574
Outros
106.028
62.792
Reservas de Reavaliação
81.016
83.117
Investimentos
8.700
8.815
Reservas de Lucros
661.627
1.125.883
Imobilizado
4.299.443
4.107.957
Ajustes de avaliação Patrimonial
(309)
(6.282)
Intangível
47.241
58.155
Ações em Tesouraria
(79.810)
(73.701)
Ativo Total
8.242.200
7.778.382
Passivo Total
8.242.200
7.778.382
background image
17
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Anexo 3
Cronograma de Resgate dos Financiamentos ­ 31/12/08
17
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
R$ milhões
1T09
2T09
3T09
4T09
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
em
diante
Total
Bndes
22,1
13,3
75,2
77,5
188,1
309,9
309,9
294,7
269,2
262,4
297,0
42,7
0,8
1.974,8
Outros
41,8
54,1
0,1
112,0
208,1
165,0
16,7
16,7
17,9
20,9
30,8
23,7
13,3
513,0
Moeda Nacional
64,0
67,4
75,3
189,5
396,2
475,0
326,6
311,3
287,1
283,3
327,8
66,4
14,1
2.487,8
Pré Pagamento
13,2
5,9
16,4
10,4
45,8
209,3
332,0
549,3
598,7
309,6
98,7
-
-
2.143,4
Financ. de Ativo Fixo
0,6
0,5
0,5
0,5
2,2
2,2
2,2
2,2
1,8
-
-
-
-
10,5
Outros
24,6
3,1
7,3
-
35,0
40,7
63,9
60,9
90,0
87,1
87,1
169,2
175,3
809,2
Moeda Estrang.
38,4
9,6
24,2
10,9
83,1
252,2
398,1
612,3
690,5
396,7
185,8
169,2
175,3
2.963,2
End. Bruto
102,4
77,0
99,5
200,4
479,3
727,2
724,7
923,6
977,6
680,0
513,6
235,6
189,4
5.451,0
Custo Médio
Prazo Médio
Moeda Local
10,8 % a.a.
41 meses
Moeda Estrangeira
5,1 % a.a.
54 meses
Dívida Bruta
48 meses
R$ milhões
64
67
75
190
396
475
327
311
287
283
328
66
14
38
10
24
11
83
252
398
612
691
397
186
169
175
102
77
100
200
479
727
725
924
978
680
514
236
189
1T09
2T09
3T09
4T09
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
em diante
Moeda Nacional
Moeda Estrang.
Curto Prazo = 9%
Moeda Estrang.
2.963
Moeda Nacional
2.488
End. Bruto
5.451
background image
18
Resultados 4T08 ­ 12 de março de 2009
Anexo 4
Demonstração do Fluxo de Caixa Consolidado
Legislação Societária - Lei 11.638/07 (R$ mil)
Consolidado
2.008
2.007
Atividades Operacionais
Ajustado
Lucro (prejuízo) líquido do exercício
(348.646)
603.623
Despesas (receitas) que não afetam o caixa e equivalentes:
. Depreciação, amortização e exaustão
403.698
243.892
. Resultado na alienação de ativos
(2.163)
(11.905)
. Imposto de renda e contribuição social diferidos
(251.113)
56.051
. Juros e variação cambial sobre empréstimos e financiamentos
1.113.429
(156.353)
. Pagamento de juros
(297.212)
(286.377)
. Resultado de equivalência patrimonial
238
200
. Ganho na variação de participação em investimentos
(48.952)
. Resultado na participação de minoritários
9.214
14.989
. Resultados recebidos de controladas
. Provisão (reversão) para contingências e outras
15.375
(1.829)
Redução (aumento) nas contas do ativo
. Clientes
(198.723)
(45.999)
. Estoques
(102.249)
(61.363)
. Impostos a recuperar
(99.485)
(252.757)
. Despesas antecipadas
(1.904)
(12.044)
. Demais contas a receber
(37.186)
(19.504)
Aumento (redução) nas contas do passivo
. Fornecedores
(212.294)
93.253
. Impostos a recolher
(331)
18.244
. Imposto de renda e contribuição social
(26.779)
10.761
. Salários, férias e encargos sociais
(9.689)
4.868
. Demais contas a pagar
(14.813)
41.895
Geração de caixa das (utilização nas) atividades operacionais
(109.585)
239.645
Atividades de Investimento:
. Títulos e valores mobiliários
(407.521)
. Aquisição de bens do ativo imobilizado, líquido dos impostos recuperáveis
(524.524)
(1.547.987)
. Aumento do ativo intangível
(7.414)
(58.000)
. Venda de ativos
6.648
16.447
. Depósitos judiciais
7.501
8.955
. Integralização de capital com efeito no caixa
. Outros
6.043
2.575
Utilização de caixa nas atividades de investimento
(919.267)
(1.578.010)
Atividades de Financiamento:
. Captação de financiamentos
749.694
2.056.742
. Amortização de financiamentos
(220.548)
(580.214)
. Integralização de capital em controladas por minoritários
7.781
. Aquisição de ações para tesouraria
(6.109)
(47.822)
. Aquisição de quotas de minoritários em controladas
(60.652)
Dividendos pagos
(236.997)
(283.004)
Outros
(6.658)
Utilização de caixa nas atividades de financiamento
225.388
1.146.825
Redução no caixa e equivalentes
(803.464)
(191.540)
Saldos iniciais de caixa e equivalentes
2.098.641
2.290.181
Saldos finais de caixa e equivalentes
1.295.177
2.098.641
Redução no caixa e equivalentes
(803.464)
(191.540)