background image



EBITDA de R$ 231 milhões no 4T10.
No ano R$ 962 milhões, 29% superior a 2009.
As demonstrações financeiras consolidadas da Klabin são apresentadas de acordo com as normas internacionais de
contabilidade (International Financial Reporting Standards - IFRS), conforme determinam as instruções CVM 457/07
e CVM 485/10. As informações dos períodos anteriores foram ajustadas para correta comparação.
4T10/3T10
4T10/4T09
2010/2009
Volume de vendas - mil t
417
436
435
-4%
-4%
1.716
1.544
11%
% Mercado Interno
68%
71%
66%
-3 p.p.
2 p.p.
68%
64%
4 p.p.
Receita líquida
931
983
805
-5%
16%
3.663
2.960
24%
% Mercado Interno
78%
79%
78%
-1 p.p.
0 p.p.
78%
76%
2 p.p.
EBIT antes dos ajustes do IFRS
118
144
109
-18%
8%
521
309
69%
EBIT após ajustes do IFRS
315
203
53
55%
496%
821
60
N/A
EBITDA
231
252
219
-8%
6%
962
747
29%
Margem EBITDA
25%
26%
27%
-1 p.p.
-2 p.p.
26%
25%
1 p.p.
Lucro líquido antes dos ajustes do IFRS
95
186
(185)
-49%
N/A
361
333
9%
Lucro líquido após ajustes do IFRS
225
226
(223)
0%
N/A
560
169
232%
Endividamento líquido
2.128
2.106
2.676
1%
-20%
2.128
2.676
-20%
Endividamento líquido/EBITDA (UDM)
2,2 x
2,2 x
3,6 x
0%
-39%
2,2 x
3,6 x
-39%
Investimentos
138
109
35
26%
295%
386
247
56%
UDM - últimos 12 meses N/A - Não aplicável
2010
2009
R$ milhões
4T10
3T10
4T09
Nota: Algumas cifras dos quadros e gráficos apresentados poderão não expressar um resultado preciso em razão de arredondamentos.
Destaques do 4T10
·
Receita líquida de R$ 931 milhões no trimestre, aumento de 16% em
relação ao 4T09;
·
Lucro Líquido de R$ 225 milhões, versus prejuízo de R$ 223 milhões no
4T09;
·
Em dezembro, Standard & Poor's elevou o rating na escala global de
Klabin de BB para BB+.
Destaques de 2010
·
Volume de vendas de 1,7 milhão de toneladas, com destaque para o
mercado interno que cresceu 17% sobre 2009;
·
Volume de vendas de madeira atingiu 3,1 milhões de toneladas,
aumento de 65% em relação a 2009;
·
Capital de giro operacional de curto prazo foi reduzido em R$ 231
milhões, em comparação a dezembro de 2009;
·
Dívida líquida cai R$ 548 milhões. A relação Dívida líquida / EBITDA
que era de 3,6x em dezembro/09, caiu para 2,2x em dezembro/10;
·
Margem EBITDA em 2010 foi de 26% versus 25% no ano anterior.
·
Lucro Líquido de R$ 560 milhões em 2010.
Relações com
investidores:
Antonio Sergio Alfano
Luiz Marciano
Vinicius Campos
Daniel Rosolen
Lucia Reis
Teleconferência de
resultados:
Sexta-feira, 25/02/11
10:00h (Brasília)
Tel: (11) 4688-6331
Senha: Klabin
Rep: (11) 4688­6312
Senha: 1734548
Visite nosso site
www.klabin.com.br
Relatório Trimestral 4T10
background image
2
2
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Mercados e Câmbio
O crescimento acentuado da demanda doméstica, impulsionado por políticas de transferência de renda,
aumento do emprego formal, elevação do salário mínimo, crescimento da massa salarial e pelo crédito
farto, se refletiu no vigoroso incremento do volume de vendas e da receita líquida da Companhia, em
relação ao ano de 2009.
A recuperação da economia interna, somada à apreciação da moeda brasileira em comparação ao dólar,
gerou oportunidades para que a Companhia canalizasse parte do volume destinado à exportação para
atender à demanda no mercado nacional.
As exportações brasileiras de papéis para embalagens também foram favorecidas pela recuperação
econômica de algumas regiões e por restrições na oferta de produtores internacionais no primeiro
semestre do ano, explicada por fechamentos de capacidade, greves e fenômenos da natureza que
impediram o abastecimento global (terremoto no Chile, congelamento do Mar Báltico e inverno rigoroso
no Hemisfério Norte).
Em 2010, o arrefecimento da crise também elevou a demanda por aparas e papéis reciclados. Este
cenário proporcionou aumentos de preço de kraftliner em todos os mercados. Na Europa segundo a
FOEX, o preço de lista do kraftliner brown 175 g/m² atingiu aproximadamente 600/t em dezembro,
representando variação positiva de 46% quando comparado ao mesmo mês de 2009. No ano, o preço
internacional médio do kraftliner foi de 509/t, 23% superior em relação à média de 2009.
A demanda nacional de papelão ondulado, medida pelo volume de caixas e chapas expedidos, foi
recorde em 2010. Segundo dados divulgados pela ABPO (Associação Brasileira de Papelão Ondulado) a
expedição brasileira acumulou 2,5 milhões de toneladas de janeiro a dezembro, 12% superior ao ano
anterior. No ano, também houve recuperação no segmento de embalagens para produtos frigorificados,
fato que ajudou a aumentar expedição no mercado interno. Para atender com agilidade e eficiência ao
aumento de demanda a Klabin investiu em sua área de conversão e manteve o market share de 20%
nesse segmento.
Conforme informações divulgadas pela Bracelpa (Associação Brasileiro de Celulose e Papel), a expedição
brasileira de papelcartão em 2010, excluindo cartões para líquidos, atingiu o recorde de 576 mil
toneladas, 14% acima de 2009. O market share de cartões da Klabin no mercado interno atingiu 27%,
comparado a 25% em 2009.
A indústria do cimento nacional, principal consumidora de sacos industriais na Klabin, vem priorizando o
atendimento do mercado e investindo fortemente na ampliação de sua capacidade produtiva. Dados
preliminares do SNIC (Sindicato Nacional da Indústria do Cimento) indicam que as vendas de cimento
no Brasil em 2010 atingiram 59 milhões de toneladas
, superior aos 52 milhões de toneladas
atingidos em 2009
. A Região Norte apresentou o maior crescimento do país, atingindo 58%, no
entanto, essa região responde por apenas 6% do consumo brasileiro. A Unidade de Convesão da
Companhia adquiriu uma nova linha de produção na Unidade de Lages 1 (SC), que agregou capacidade,
agilidade, qualidade e segurança ao processo.
A taxa de câmbio (final venda) que era de R$ 1,74/US$ em 31 de dezembro de 2009, depreciou 4% no
ano alcançando R$ 1,67/US$ ao final de dezembro de 2010. Quando comparada a 30 de setembro de
2010, a depreciação do dólar foi de 2%. A taxa de câmbio média no 4T10 foi R$ 1,70/US$, 3% e 2%
inferior ao 4T09 e 3T10, respectivamente. No ano, a taxa média foi de R$ 1,76/US$, depreciação de
12% em relação a 2009.
4T10/3T10
4T10/4T09
2010/2009
Dólar médio
1,70
1,75
1,74
-3%
-2%
1,76
1,99
-12%
Dólar final
1,67
1,69
1,74
-2%
-4%
1,67
1,74
-4%
2010
2009
4T10
3T10
4T09
background image
3
3
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Desempenho operacional e econômico-financeiro
Volume de vendas
O volume de vendas no 4T10, sem incluir madeira, foi de 417 mil toneladas, 4% inferior ao 4T09 devido
a menores vendas de kraftliner e 4% inferior ao 3T10 em função da sazonalidade do mercado.
No mercado interno, o volume de vendas foi de 283 mil toneladas, 2% e 8% inferior em relação ao
4T09 e 3T10, respectivamente, em função do menor volume de vendas de kraftliner.
O volume exportado no 4T10 totalizou 133 mil toneladas, 9% inferior ao 4T09 e 4% superior ao 3T10.
No ano, o volume de vendas totalizou 1.716 mil toneladas, acréscimo de 11% em relação a 2009, dos
quais, aumento de 17% no mercado interno e estável nas exportações.
Receita Líquida
A receita líquida no 4T10, incluindo madeira, totalizou R$ 931 milhões, 16% superior ao 4T09 refletindo
maiores preços e 5% inferior ao 3T10 devido ao menor volume de vendas.
No mercado interno a receita foi de R$ 730 milhões, 16% superior ao 4T09 e 6% inferior ao 3T10.
A receita das exportações no 4T10 totalizou R$ 201 milhões, 16% superior ao 4T09 e 2% inferior ao
3T10.
Em 2010, as vendas líquidas atingiram R$ 3.663 milhões, 24% superior ao ano anterior, devido ao
maior volume de vendas e recuperação dos preços internacionais. No mercado interno a receita líquida
atingiu R$ 2.850 milhões, 27% acima do ano anterior. Na exportação, a receita somou R$ 813 milhões,
14% superior a 2009.
Volume de vendas por produto
2010
Cartões
Revest.
38%
Caixas
de P.O.
30%
Kraftliner
22%
Sacos
Ind.
8%
Outros
2%
não inclui madeira
Volume de vendas
(mil t)
417
436
435
1.716
1.544
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Mercado Interno
Mercado Externo
68%
32%
71%
29%
34%
66%
32%
68%
36%
64%
background image
4
4
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Exportações
A recuperação econômica de algumas regiões em 2010, aliada a restrições na oferta explicada pelos
fechamentos de capacidade ocorridos durante a crise internacional impulsionou os preços internacionais
de cartões revestidos e kraftliner. Por outro lado, a depreciação da taxa de câmbio média de 12% em
relação a 2009 enfraqueceu os ganhos em reais com as vendas de papéis no mercado externo.
A Companhia aproveitou o aquecimento do mercado local para concentrar os maiores volumes no Brasil
e optou por distribuir as exportações nas regiões mais próximas, onde os custos de transporte são mais
baixos.
As vendas para a América Latina continuaram fortes e ganharam participação no mix de exportações,
aumentando de 38% em 2009 para 45% do volume vendido no mercado externo em 2010. As vendas
de cartões e sacos industriais contribuíram para o aumento de participação dessa região.
O volume com destino à Ásia atingiu 27% do total exportado em 2010 versus 22% em 2009, em função
do maior volume de vendas para a Tetra Pak na China, Cingapura e Paquistão.
Volume - 2010
554 mil toneladas
Africa
6%
América
do Norte
5%
Europa
17%
Ásia
27%
América
Latina
45%
R
eceita líquida - 2010
R$ 813 milhões
América
Latina
44%
Ásia
30%
Europa
15%
América
do Norte
6%
Africa
5%
Receita líquida
(R$ milhões)
931
983
805
3.663
2.960
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Mercado Interno
Mercado Externo
78%
79%
78%
22%
78%
24%
76%
Receita líquida por produto
2010
Outros
2%
Madeira
7%
Kraftliner
13%
Sac os
Industriais
13%
Caixas de
P.O.
31%
Cartões
Revest.
34%
inc lui madeira
background image
5
5
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Custos e Despesas Operacionais
O custo dos produtos vendidos no 4T10 foi de R$ 592 milhões, acumulando R$ 2.741 milhões no
ano.
Eliminando os efeitos dos ativos biológicos, o custo dos produtos vendidos no 4T10 foi de R$ 670
milhões, totalizando R$ 2.621 milhões.
As despesas com vendas foram de R$ 77 milhões 10% superior ao 4T09 e estável em relação ao
3T10. No quarto trimestre de 2010, os fretes totalizaram R$ 45 milhões, 8% superior ao 4T09 e 3%
inferior em relação ao 3T10.
No ano as despesas com vendas atingiram R$ 300 milhões, estável em relação ao ano anterior.
As despesas gerais e administrativas totalizaram R$ 57 milhões no 4T10, 16% superior ao 4T09 e
2% inferior ao 3T10.
No ano as despesas gerais e administrativas atingiram R$ 215 milhões, aumento de 21% em relação ao
ano anterior. O aumento deve-se principalmente aos dissídios coletivos e programa de participação nos
resultados.
O custo caixa no ano foi de R$ 1.575 / t, 10% superior a 2009, refletindo principalmente: mudança de
mix de produtos, dissídio coletivo, aumento de preços das aparas e fibras e aumento do consumo de
óleo combustível.
O resultado operacional antes do resultado financeiro (EBIT) no 4T10 foi de R$ 315 milhões,
496% e 55% superior ao 4T09 e ao 3T10, respectivamente. Em 2010 o EBIT atingiu R$ 821 milhões.
Geração operacional de caixa (EBITDA)
A geração operacional de caixa (EBITDA) no 4T10 foi de R$ 231 milhões, 6% superior ao 4T09 e
8% inferior ao 3T10. A margem EBITDA foi de 25%, 2 p.p. e 1 p.p. inferior ao 4T09 e ao 3T10,
respectivamente.
No ano, o EBITDA totalizou R$ 962 milhões, 29% superior a 2009, com margem de 26%.
Composição do EBITDA
R$ milhões
4T10
3T10
4T09
4T10/3T10
4T10/4T09
2010
2009
2010/2009
Resultado operacional (após financeiras)
348
347
(23)
0%
N / A
872
505
73%
(+) Resultado financeiro
(33)
(144)
75
-77%
N / A
(50)
(444)
-89%
(+) Depreciação, exaustão e amortização
64
173
184
-63%
-65%
589
751
-22%
(-) Variação dos ativos biológicos
(148)
(124)
(18)
19%
722%
(449)
(65)
591%
EBITDA
231
252
218
-8%
6%
962
747
29%
Margem EBITDA
25%
26%
27%
-1 p.p.
-2 p.p.
26%
25%
1 p.p.
N / A - Não aplicável
Endividamento e aplicações financeiras
O endividamento bruto em 31 de dezembro de 2010 era de R$ 4.857 milhões. Da dívida total,
R$ 2.855 milhões (59%) são denominados em moeda estrangeira, equivalente a US$ 1.714 milhões,
substancialmente, pré-pagamento de exportações.
O prazo médio de vencimento dos financiamentos era de 41 meses, sendo 34 meses para os
financiamentos em moeda local e 47 meses para os financiamentos em moeda estrangeira. A dívida de
curto prazo no final de dezembro responde por 17% do total.
O custo médio dos financiamentos em moeda local é de 8,4% a.a. e 3,8% a.a. em moeda estrangeira.
No final de dezembro as aplicações financeiras somavam R$ 2.729 milhões, R$ 677 milhões acima
do verificado em dezembro de 2009 e superam em 3,2x o endividamento bruto de curto prazo.
O endividamento líquido em 31 de dezembro de 2010 era de R$ 2.128 milhões, comparado a
R$ 2.676 milhões, redução de R$ 548 milhões no ano. A relação Dívida Líquida / EBITDA, que em 31
de dezembro de 2009 era de 3,6x, encerrou 2010 em 2,2x.
background image
6
6
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Endividamento (R$ milhões)
Curto prazo
842
17%
802
17%
Moeda local
496
10%
492
10%
Moeda estrangeira
346
7%
310
7%
Longo prazo
4.015
83%
3.926
83%
Moeda local
1.506
31%
1.683
36%
Moeda estrangeira
2.509
52%
2.243
47%
Endividamento bruto
4.857
100%
4.728
100%
Total moeda local
2.002
41%
2.175
46%
Total moeda estrangeira
2.855
59%
2.553
54%
(-) Disponibilidades
2.729
2.052
Endividamento líquido
2.128
2.676
Dívida líquida / EBITDA
2,2 x
3,6 x
31/12/10
31/12/09
Resultado Líquido
O lucro líquido no 4T10 após ajustes de IFRS foi de R$ 225 milhões, comparado a um prejuízo de
R$ 223 milhões no 4T09 e lucro de R$ 226 milhões no 3T10.
Em 2010 o lucro líquido atingiu R$ 560 milhões, versus um lucro de R$ 169 milhões em 2009.
Evolução dos Negócios
Informações consolidadas por segmento operacional
Nota: Nesta tabela, as vendas líquidas totais incluem a comercialização de outros produtos.
R$ milhões
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Lucro líquido antes dos ajustes do IFRS
95
186
(185)
361
333
Variação do valor justo dos ativos biológicos
148
124
18
449
65
Exaustão dos ativos biológicos e reavaliação vida útil imobilizado
78
-65
(74)
(120)
(313)
Reversão de custo atribuído ao imobilizado
(28)
0
-
(28)
-
Efeito de IR/CS diferidos
(67)
-19
19
(102)
85
Lucro líquido após ajustes de IFRS
225
226
(222)
560
169
R$ milhões
Florestal
Papéis
Conversão
Eliminações
Total
Vendas Líquidas
Mercado Interno
273
1.031
1.546
1
2.850
Mercado Externo
-
720
93
-
813
Receita de terceiros
273
1.751
1.639
1
3.663
Receitas entre segmentos
434
855
10
(1.299)
-
Vendas Líquidas Totais
707
2.606
1.649
(1.299)
3.663
Variação valor justo ativos biológicos
449
-
-
-
449
Custo dos Produtos Vendidos
(754)
(1.967)
(1.311)
1.290
(2.741)
Lucro Bruto
402
639
338
(8)
1.371
Despesas Operacionais
(82)
(263)
(179)
(26)
(549)
Resultado Oper. antes Desp. Fin.
320
376
159
(34)
821
background image
7
7
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
FLORESTAL
No 4T10 o volume de vendas de madeira para terceiros foi de 761 mil toneladas, aumento de 42% em
relação ao 4T09 e uma queda de 7% em relação ao 3T10. A queda das vendas em comparação ao 3T10
deve-se principalmente às chuvas.
No ano, o volume de vendas totalizou 3,1 milhões de toneladas, aumento de 65% em relação a 2009. A
recuperação do mercado madeireiro e a busca por novas oportunidades e nichos de mercado
justificaram o aumento expressivo.
Volume de vendas
(mil t)
761
817
536
1.892
3.113
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Receita líquida
(R$ milhões)
66
42
260
158
72
4T10
3T10
4T09
2010
2009
A receita líquida das vendas de toras de madeira para terceiros no 4T10 foi de R$ 66 milhões, 55%
superior ao 4T09 e 8% inferior ao 3T10. No ano, a receita líquida com a venda de madeira foi de R$ 260
milhões, representando 7% da receita total, um acréscimo de 65% em relação ao ano anterior.
No final de dezembro as áreas plantadas, próprias e de terceiros, somavam 213 mil hectares, sendo 136
mil hectares plantados com pinus e 77
mil hectares plantados com eucalipto, além de 192 mil hectares
de áreas de preservação permanente e reserva legal.
A Klabin atua como avalista de pequenos proprietários interessados em obter financiamento bancário
para a plantação de florestas. Estes financiamentos são contraídos por meio do Programa de Plantio
Comercial e Recuperação de Florestas (Propflora) e do Programa Nacional de Fortalecimento da
Agricultura Familiar (Pronaf), sendo quitados com parte da madeira plantada.
PAPÉIS
O volume de vendas de papéis e cartões revestidos para terceiros foi de 246 mil toneladas no 4T10, 8%
inferior ao 4T09 devido à menor venda de kraftliner e 4% inferior ao 3T10 devido à sazonalidade. Em
2010, o volume de vendas de papéis atingiu 1.024 mil toneladas, 11% superior a 2009.
A receita líquida de papéis e cartões totalizou R$ 429 milhões no 4T10, 12% superior ao 4T09 e 5%
inferior ao 3T10. No ano, a receita líquida de papéis acumulada alcançou R$ 1.713 milhões, aumento de
25% em relação a 2009.
As exportações no 4T10 somaram 126 mil toneladas, 8% inferior ao 4T09 e 6% superior ao 3T10. No
ano, as exportações atingiram 522 mil toneladas, 1% superior a 2009.
Kraftliner
O volume de vendas de kraftliner foi de 88 mil toneladas no 4T10, 19% inferior ao 4T09 e 5% superior
ao 3T10. Em 2010, o volume atingiu 367 mil toneladas, 6% inferior ao ano de 2009 devido a maior
transferência de kraftliner para fabricação de caixas de papelão ondulado.
background image
8
8
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
As vendas para o mercado externo atingiram 59 mil toneladas no 4T10, equivalente a 67% das vendas
totais deste produto. As vendas para o mercado interno atingiram 29 mil toneladas no 4T10, uma queda
de 23% e 33% em relação ao 4T09 e ao 3T10, respectivamente.
A receita líquida de kraftliner atingiu R$ 124 milhões no 4T10, 17% e 2% superior ao 4T09 e ao 3T10,
respectivamente. No ano, a receita líquida de kraftliner atingiu R$ 466 milhões, 21% superior ao ano
anterior.
Volume de vendas
(mil t)
88
85
109
367
393
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Mercado Interno
Mercado Externo
67%
65%
78%
48%
60%
Receita líquida
(R$ milhões)
124
106
466
385
122
4T10
3T10
4T09
2010
2009
A recuperação econômica e o aumento do consumo elevaram a demanda por papéis de embalagem.
Este aumento, tanto para papéis de fibra virgem como reciclados, impulsionou aumentos de preço de
kraftliner, durante todo o ano, globalmente. Segundo dados do FOEX, o preço lista médio em dólares do
kraftliner brown 175g/m² na Europa subiu 45% em euros e 33% em dólares durante o ano de 2010,
atingindo US$ 792/t ao final de dezembro. Em 2010, o preço médio na Europa foi de US$ 675/t, 13%
superior à média de 2009, que foi de US$ 576/t.
524
516
501
487
486
462
411
385
404
433
478
533
592
1.356
1.344
1.302
1.217
1.392
1.162
1.029
1.038
1.079
1.089
1.207
1.364
1.459
4T07
1T08
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
( / t)
(R$ / t)
Média trimestral
Kraftliner ( / t)
Kraftliner (R$ / t)
Fonte: FOEX e BAC EN
background image
9
9
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Cartões
O volume de vendas de cartões no 4T10 atingiu 158 mil toneladas, estável em relação ao 4T09 e 8%
inferior ao 3T10. No ano, o volume vendido foi de 656 mil toneladas, crescimento de 24% em relação a
2009.
A receita líquida de cartões atingiu R$ 306 milhões no 4T10, 10% superior ao 4T09 e 8% inferior ao
3T10. Em 2010, a receita líquida de cartões foi de R$ 1.247 milhões, 26% superior ao ano de 2009. A
receita líquida de cartões representou 34% da receita total em 2010.
As vendas no mercado interno atingiram 91 mil toneladas, 1% e 3% inferior ao 4T09 e ao 3T10,
respectivamente. As exportações de cartões somaram 67 mil toneladas no 4T10, 2% superior ao 4T09 e
14% inferior ao 3T10.
Volume de vendas
(mil t)
158
171
158
656
531
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Mercado Interno
Mercado Externo
57%
40%
43%
42%
60%
58%
54%
46%
54%
46%
Receita líquida
(R$ milhões)
306
331
277
988
1.247
4T10
3T10
4T09
2010
2009
De acordo com os dados divulgados pela Associação Brasileira de Celulose e Papel ­ Bracelpa ­ as
vendas de papelcartão (excluindo cartões para líquidos) no mercado doméstico no 4T10 atingiram 141
mil toneladas, 4% e 9% inferior ao 4T09 e 3T10, respectivamente. Em 2010, as vendas acumularam
576 mil toneladas, 14% superior a 2009. No ano, o market share da Klabin atingiu 27%, comparado a
25% no ano anterior.
CONVERSÃO
O volume de vendas de produtos convertidos foi de 160 mil toneladas no 4T10, 1% superior ao 4T09 e
6% inferior ao 3T10. No ano, o volume de vendas totalizou 653 mil toneladas, 11% superior a 2009.
A receita líquida de produtos convertidos totalizou R$ 421 milhões no 3T10, 15% superior ao 4T09 e 5%
inferior ao 3T10. Em 2010, a receita líquida atingiu R$ 1.629 milhões, 18% superior a 2009.
Papelão ondulado
A expedição de caixas de papelão ondulado da Klabin atingiu 126 mil toneladas no 4T10, 1% superior ao
4T09 e 5% inferior ao 3T10. Em 2010 a expedição totalizou 512 mil toneladas, aumento de 12% em
relação ao ano anterior.
background image
10
10
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Volume de vendas
(mil t)
126
132
124
512
457
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Receita líquida
(R$ milhões)
304
314
256
946
1.157
4T10
3T10
4T09
2010
2009
A receita líquida do 4T10 totalizou R$ 304 milhões, 19% superior ao 4T09 e 3% inferior ao 3T10. No
ano, a receita líquida foi de R$ 1.157 milhões, 22% superior a 2009.
As informações da Associação Brasileira do Papelão Ondulado ­ ABPO ­ indicam que a expedição de
caixas e chapas de papelão ondulado totalizou 2,5 milhões de toneladas em 2010, 12% superior a 2009.
185
181
197
197
184
168
183
198
209
201
218
216
214
4T07
1T08
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
Expedição brasileira de papelão ondulado
mil toneladas
Média trim estral
Volum e m ensal
Fonte: ABPO
Sacos Industriais
O volume de vendas de sacos industriais do Brasil e Argentina, nos mercados interno e externo, durante
o 4T10 totalizou 34 mil toneladas, 2% e 11% inferior ao 4T09 e 3T10, respectivamente. Em 2010, o
volume de vendas de sacos atingiu 142 mil toneladas, crescimento de 9% em relação a 2009.
A receita líquida no 4T10 foi de R$ 116 milhões, 7% superior ao 4T09 e 10% inferior 3T10. No ano, a
receita líquida foi de R$ 472 milhões, 10% superior ao ano anterior. A receita líquida de sacos
industriais representou 13% da receita total em 2010.
background image
11
11
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Volume de vendas
(mil t)
34
38
35
142
130
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Receita líquida
(R$ milhões)
116
108
472
429
128
4T10
3T10
4T09
2010
2009
A Companhia se beneficiou do crescimento do setor de construção civil em 2010. Dados preliminares do
Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC) e estimativas de mercado indicam que as vendas de
cimento para o mercado brasileiro no ano de 2010 atingiram 59 milhões de toneladas, aumento de 15%
em relação ao ano anterior.
Em dezembro de 2010 as vendas de cimento superaram em 16% o volume vendido no mesmo mês do
ano anterior, mostrando o ritmo forte da demanda no país.
4,0
3,9
4,2
4,7
4,3
3,9
4,1
4,6
4,4
4,5
4,7
5,3
5,0
4T07
1T08
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
Consumo Nacional de Cimento
milhões de toneladas
Média trim estral
Consum o m ensal
Fonte: SNIC
Investimentos
Os investimentos realizados durante o ano de 2010 estão especificados a seguir:
R$ milhões
4T10
2010
2009
Florestal
49
133
98
Papéis
52
181
122
Conversão
34
68
27
Outros
2
3
-
Total
138
386
247
background image
12
12
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Os investimentos no 4T10 foram de R$ 138 milhões, acumulando R$ 386 milhões em 2010, dos quais
47% foram alocados na Unidade de Negócios Papéis, 35% na Unidade de Negócios Florestal e 18 % na
Unidade de Negócios Conversão.
A Unidade Florestal plantou 17 mil hectares próprios durante o ano. O incremento do plantio com
espécies de maior produtividade assegura matéria-prima para o aumento da capacidade de produção de
fibras.
A Companhia investiu na melhoria da matriz energética das unidades de papéis. Entre os principais
projetos destacam-se a instalação de novas caldeiras de biomassa em Otacílio Costa (SC), que entrou
em operação em janeiro de 2011, e Correia Pinto (SC), que entrará em operação em meados de 2012.
Também foi iniciada reforma do sistema das evaporações de Otacílio Costa (SC), que entrará em
operação no terceiro trimestre de 2011 e construção de nova linha de transmissão de alta tensão para a
fábrica de Monte Alegre (PR) prevista para o quarto trimestre de 2011.
Nas unidades de conversão foram adquiridas e instaladas quatro impressoras com capacidade para
impressão de quatro cores em papelão ondulado. Tais equipamentos estão em operação, sendo duas na
unidade de Jundiaí-DI (SP), uma em Feira de Santana (BA) e uma em Itajaí (SC) e representam
acréscimo de capacidade de conversão e melhores soluções gráficas para atender às novas exigências
do mercado.
Em 2010 também foi adquirida e instalada uma nova linha completa para a fabricação de sacos
multifolhados valvulados. O equipamento em operação na fábrica de Lages (SC) substituiu duas linhas
antigas e proporciona ganhos de produtividade e qualidade.
Mercado de capitais
Ações preferenciais
600,9 milhões
Preço por ação (KLBN4)
R$ 5,85
Valor patrimonial da ação
R$ 5,44
Volume médio diário 3T10
R$ 17,9 milhões
Valor de mercado
R$ 5,2 bilhões
Em 31 de dezembro de 2010
No 4T10, as ações preferenciais da Klabin (KLBN4) apresentaram valorização de 24% e o IBOVESPA
permaneceu estável. As ações da companhia foram negociadas em todos os pregões da BM&FBOVESPA,
registrando 205.450 operações que envolveram 216,3 milhões de títulos e um volume médio diário
negociado de R$ 17,9 milhões, 58% superior ao trimestre passado.
Volume médio diário
(R$ mil/dia)
0
5.000
10.000
15.000
20.000
25.000
ja
n0
9
fe
v0
9
m
ar
09
ab
r0
9
m
ai
09
ju
n0
9
ju
l0
9
ag
o0
9
se
t0
9
ou
t0
9
no
v0
9
de
z0
9
ja
n1
0
fe
v1
0
m
ar
10
ab
r1
0
m
ai
10
ju
n1
0
ju
l1
0
ag
o1
0
se
t1
0
ou
t1
0
no
v1
0
de
z1
0
background image
13
13
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
No ano as ações preferenciais da Klabin valorizaram 10% enquanto o Ibovespa valorizou 1%. O gráfico
a seguir apresenta a evolução das ações preferenciais da Klabin e do Ibovespa:
75%
85%
95%
105%
115%
dez09 jan10 fev10 mar10 abr10 mai10 jun10
jul10
ago10 set10 out10 nov10 dez10
Klabin
Índice Ibovespa
110
101
As ações da Klabin também são negociadas no mercado norte-americano. Como ADRs Nível I, os títulos
são listados no OTC ("over-the-counter"), mercado de balcão, sob o código KLBAY.
O capital social da Klabin é representado por 917,7 milhões de ações, das quais 316,8 milhões de ações
ordinárias e 600,9 milhões de ações preferenciais.
Venda de ações preferenciais pelo BNDESPAR
Com o início das vendas de ações preferenciais em julho por parte do BNDESPAR, o volume médio
negociado na BM&FBovespa apresentou crescimento de 50%, passando de R$ 9,7 milhões no primeiro
semestre para 14,6 milhões no segundo semestre de 2010.
Até 31 de dezembro de 2010 o BNDESPAR tinha vendido 77,4 milhões de ações preferenciais da Klabin.
Deste modo, a participação do banco caiu de 31% para 18% das ações preferenciais da Companhia.
Recompra de ações e ações em tesouraria
Em reunião extraordinária do Conselho de Administração realizada em 13 de outubro de 2010, foi
autorizado o Programa de Recompra de Ações Preferenciais de até 45,3 milhões de ações de própria
emissão. Este programa é válido por 365 dias ou até 12 de outubro de 2011.
Em 2010 a Companhia comprou 10,3 milhões de ações e encerrou o ano com 27,2 milhões de ações
preferenciais em tesouraria.
Dividendos
Em 08 de outubro de 2010, Klabin pagou dividendos intermediários no montante de R$ 70 milhões,
sendo R$ 72,98 por lote de mil ações ordinárias e R$ 80,28 por lote de mil ações preferenciais.
No ano de 2010 foram pagos R$ 177 milhões em dividendos, sendo R$ 57 milhões referentes ao
complemento do exercício de 2009 e R$ 120 milhões intermediários do exercício de 2010.
A Administração levará à Assembléia Geral Ordinária, a ser realizada em abril de 2011, proposta de
pagamento de dividendos complementares no montante de R$ 70 milhões, sendo R$ 73,85 por lote de
mil ações ordinárias e R$ 81,24 por lote de mil ações preferenciais. Desse modo os dividendos
referentes ao exercício de 2010 perfazem R$ 190 milhões.
background image
14
14
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Novo CEO
Em novembro, foi anunciado que o Sr. Reinoldo Poernbacher iria se aposentar e em seu lugar assumiria
como CEO o Sr. Fabio Schvartsman
. O Sr. Fabio foi eleito
na reunião do Conselho de Administração
realizada em 02 de fevereiro de 2011.
Estratégia
2010 foi um ano de desafios. Além da contínua melhoria do desempenho, foram iniciados investimentos
visando redução de custos nas fábricas de papel e aumento de capacidade nas unidades de sacos
industriais e caixas de papelão. Em 2011:
A Klabin pretende continuar diminuindo a alavancagem, reduzindo a relação Dívida Líquida /
EBITDA;
A Companhia continua renovando a área florestal, substituindo florestas antigas por novas com
ganho de produtividade de fibras de até 50%;
Na fábrica de Otacílio Costa (SC), a nova caldeira de biomassa, que entrou em operação em janeiro
de 2011, substituiu uma caldeira a óleo combustível. O investimento proporcionará economia de
custos, avanços na matriz energética e atualização tecnológica;
Em Correia Pinto (SC), uma nova caldeira de biomassa substituirá duas caldeiras antigas,
propiciando auto-suficiência em energia elétrica;
Nas fábricas de caixas de papelão ondulado, além das novas impressoras já instaladas, serão
instaladas duas novas onduladeiras que irão aumentar a capacidade de produção de Jundiaí DI (SP)
e Goiana (PE);
Na unidade de sacos industriais em Lages (SC) será instalada uma linha adicional de produção de
sacos multifolhados que aumentará a produção da unidade em 10%.
background image
15
15
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Teleconferência
Sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011 ­ 10h00 (Brasília).
Senha: Klabin
Telefone: (11) 4688-6331
Replay: (11) 4688­6312 ­ Senha: 1734548
Conference Call
Friday, February 25
th
, 2011 ­ 9:00 a.m. (Eastern time).
Password: Klabin
Phone: U.S. participants: 1-888-700-0802
International participants: 1-786-924-6977
Brazilian participants: (55 11) 4688-6331
Replay: (55 11) 4688­6312 ­ Password: 5236425
Webcast
O áudio da Teleconferência também será transmitido pela internet.
The conference call will also be broadcasted by internet.
Acesso/Access:
www.ccall.com.br/klabin


Com uma receita bruta de R$ 4,4 bilhões, em 2010, a
Klabin
é a maior produtora integrada de papel
para embalagem do Brasil, com capacidade de produção de 1,9 milhão de toneladas anuais de produtos.
A Companhia definiu como enfoque estratégico a atuação nos seguintes negócios: papéis e cartões
revestidos para embalagens, caixas de papelão ondulado, sacos industriais e madeira. Lidera todos os
mercados em que atua.
Declarações contidas neste comunicado relativas à perspectiva dos negócios da Companhia, projeções de resultados
operacionais e financeiros e, ao potencial de crescimento da Companhia constituem-se em meras previsões e foram
baseadas nas expectativas da Administração em relação ao futuro da Companhia. Essas expectativas são altamente
dependentes de mudanças no mercado, no desempenho econômico geral do Brasil, na indústria e nos mercados
internacionais, estando, portanto, sujeitas à mudança.
background image
16
16
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Anexo 1
Demonstração do Resultado Consolidado
IFRS (R$ mil)
4T10
3T10
4T09
2010
2009
Receita Bruta
1.125.347
1.187.347
980.881
4.431.465
3.590.924
Receita Líquida
930.940
982.593
805.338
3.663.317
2.960.179
100,0%
100,0%
100,0%
100,0%
100,0%
Variação valor justo dos ativos biológicos
147.612
124.461
17.615
448.625
64.577
Custo dos Produtos Vendidos
(591.580)
(767.347)
(679.771)
(2.741.103)
(2.498.271)
63,5%
78,1%
84,4%
74,8%
84,4%
Lucro Bruto
486.972
339.707
143.182
1.370.839
526.485
52,3%
34,6%
17,8%
37,4%
17,8%
Vendas
(77.435)
(77.427)
(70.482)
(300.153)
(300.047)
8,3%
7,9%
8,8%
8,2%
10,1%
Gerais & Administrativas
(56.542)
(57.494)
(48.723)
(214.876)
(176.906)
6,1%
5,9%
6,1%
5,9%
6,0%
Outras Rec. (Desp.) Oper.
(37.656)
(1.490)
28.698
(34.421)
10.770
4,0%
0,2%
3,6%
0,9%
0,4%
Total Despesas Operacionais
(171.633)
(136.411)
(90.507)
(549.450)
(466.183)
18,4%
13,9%
11,2%
15,0%
15,7%
Resultado Oper. antes Desp. Fin.
315.339
203.296
52.675
821.389
60.302
33,9%
20,7%
6,5%
22,4%
2,0%
Despesas Financeiras
(76.722)
(73.666)
(169.815)
(308.313)
(390.191)
8,2%
7,5%
21,1%
8,4%
13,2%
Receitas Financeiras
66.695
66.203
41.757
234.111
170.635
7,2%
6,7%
5,2%
6,4%
5,8%
Variações Cambiais Líquidas
43.010
151.385
52.746
124.796
663.755
4,6%
15,4%
6,5%
3,4%
22,4%
Financeiras Líquidas
32.983
143.922
(75.312)
50.594
444.199
3,5%
14,6%
9,4%
1,4%
15,0%
Lucro antes I.R. Cont. Social
348.322
347.218
(22.637)
871.983
504.501
37,4%
35,3%
2,8%
23,8%
17,0%
Prov. IR e Contrib. Social
(114.063)
(115.664)
(198.912)
(289.831)
(332.759)
12,3%
11,8%
24,7%
7,9%
11,2%
Partic. dos Minoritários
(9.117)
(5.848)
(934)
(22.376)
(2.955)
1,0%
0,6%
0,1%
0,6%
0,1%
Lucro Líquido
225.142
225.706
(222.483)
559.776
168.787
24,2%
23,0%
27,6%
15,3%
5,7%
Depreciação/Amortização/Exaustão
63.599
173.271
183.477
588.936
751.409
6,8%
17,6%
22,8%
16,1%
25,4%
Variação valor justo dos ativos biológicos
(147.612)
(124.461)
(17.615)
(448.625)
(64.577)
EBITDA
231.326
252.106
218.537
961.700
747.134
24,8%
25,7%
27,1%
26,3%
25,2%
% da Receita Líquida
2010
2009
IFRS - R$ mil
4T10
4T09
3T10
background image
17
17
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Anexo 2
Balanço Patrimonial Consolidado
IFRS (R$ mil)
Ativo
dez-10
dez-09
Passivo e Patrimônio Líquido
dez-10
dez-09
Ativo Circulante
4.127.147
3.536.197
Passivo Circulante
1.690.913
1.504.619
Caixa e bancos
39.880
12.356
Empréstimos e Financiamentos
842.121
802.312
Aplicações financeiras
2.491.225
1.829.296
Fornecedores
269.839
189.696
Títulos e valores mobiliários
198.222
209.874
Imposto de renda e contribuição social
37.013
1.622
Clientes
753.961
661.128
Impostos a recolher
40.669
50.399
Estoques
460.128
470.615
Salários e encargos sociais
93.542
68.859
Impostos e contribuições a recuperar
131.102
294.268
Dividendos a pagar - minoritários
2.584
0
Outros
52.629
58.660
Provisão REFIS
349.340
331.685
Outros
55.805
60.046
Não Circulante
5.415.828
5.178.457
Empréstimos e Financiamentos
4.014.976
3.925.637
Imp Renda e C.social diferidos
1.235.635
1.047.513
Outros
165.217
205.307
Não Circulante
8.134.096
7.865.703
Impostos a compensar
131.621
164.673
Patrim.Líquido - acionistas controladores
4.994.085
4.662.159
Depósitos judiciais
90.698
81.932
Capital Social Realizado
1.500.000
1.500.000
Outros
125.678
113.120
Reservas de Capital
84.491
84.491
Investimentos
11.542
11.552
Reservas de Reavaliação
51.404
52.117
Imobilizado
5.004.023
4.996.892
Reservas de Lucros
2.365.900
2.001.024
Ativos biológicos
2.762.879
2.491.169
Ajustes de avaliação Patrimonial
1.120.643
1.104.337
Intangível
7.655
6.365
Ações em Tesouraria
(128.353)
(79.810)
Patrim.Líquido - atribuido aos não controladores
160.417
56.665
Ativo Total
12.261.243
11.401.900
Passivo Total
12.261.243
11.401.900
background image
18
18
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Anexo 3
Cronograma de Resgate dos Financiamentos ­ 31/12/10
R$ milhões
1T11
2T11
3T11
4T11
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018 em
diante
Total
Bndes
83
76
84
234
322
296
290
323
58
25
50
1.842
Outros
1
9
0
8
17
18
21
31
25
9
20
160
Moeda Nacional
83
85
84
243
339
314
311
355
83
34
70
2.002
Pré Pagamento
30
73
54
99
400
460
337
262
103
129
299
2.247
Financ. de Ativo Fixo
1
0
1
2
6
6
5
5
3
4
9
41
Outros
62
2
22
-
44
65
63
63
122
-
126
567
Moeda Estrang.
93
76
77
101
450
531
405
330
227
133
434
2.855
End. Bruto
176
161
161
343
789
845
715
684
310
167
504
4.857
Custo Médio
Prazo Médio
Moeda Local
8,4 % a.a.
34 meses
Moeda Estrangeira
3,8 % a.a.
47 meses
Dívida Bruta
41 meses
83
85
84
243
339
314
311
355
83
34
70
93
76
77
101
450
531
405
330
227
133
434
176
161
161
343
789
845
715
684
310
167
504
1T11
2T11
3T11
4T11
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018 em
diante
R$ milhões
Moeda Estrang.
Moeda Nacional
Moeda
Estrang.
2.855
Moeda
Nacional
2.002
End. Bruto
4.857
Curto Prazo = 17%
background image
19
Resultados 4T10 ­ 24 de fevereiro de 2011
Anexo 4
Demonstração do Fluxo de Caixa Consolidado
IFRS (R$ mil)
2010
2009
Caixa Líquido Atividades Operacionais
913.535
747.489
Caixa Gerado nas Operações
764.837
428.595
Lucro líquido do período
559.776
168.786
Depreciação e amortização
223.639
416.388
Exaustão de ativos biológicos
337.100
332.791
Realização de custo atribuido ao ativo imobilizado
28.197
Variação Valor justo - ativos biológicos
(448.625)
(64.577)
Resultado na alienação de ativos
2.120
(63.400)
Imp de renda e contrib social diferidos
189.286
88.554
Imp de renda e contrib social REFIS
234.240
Juros e var cambial sobre financiamentos
108.452
(507.897)
Pagamento de juros
(281.723)
(306.683)
Provisão REFIS
17.655
97.445
Resultado da participação minoritária
22.376
2.955
Outras
6.584
29.993
Variações nos Ativos e Passivos
148.698
318.894
Clientes
(96.060)
(10.216)
Estoques
(32.244)
6.215
Impostos a recuperar
196.218
117.973
Depósitos judiciais
Títulos e valores mobiliários
11.652
197.647
Despesas antecipadas
(872)
1.423
Demais contas a receber
(12.599)
19.755
Fornecedores
80.333
(25.464)
Impostos a recolher
(9.730)
8.247
Imp de renda e contrib social
34.227
1.561
Salários, férias e encargos sociais
24.683
9.198
Demais contas a pagar
(46.910)
(7.445)
Caixa Líquido Atividades de Investimento
(384.914)
(177.513)
Aquisição de bens do ativo imobilizado,liq de impostos
(266.489)
(157.346)
Aquisição de ativos biológicos,líquidos de impostos
(119.108)
(91.929)
Aumento do intangível
Venda de ativos
683
73.050
Outras
(1.288)
Caixa Líquido Atividades Financiamento
160.832
(23.501)
Captação de financiamentos
1.042.934
493.446
Amortização de financiamentos
(740.515)
(419.648)
Integralização capital em controladas por minoritários
90.122
34.328
Aquisição de participação de minoritários em controladas
(3.251)
(8.592)
Dividendos pagos aos acionistas controladores
(177.003)
(123.035)
Dividendos pagos aos acionistas minoritários
(2.912)
Aquisição de ações em tesouraria
(48.543)
Aumento(Redução) de Caixa e Equivalentes
689.453
546.475
Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes
1.841.652
1.295.177
Saldo Final de Caixa e Equivalentes
2.531.105
1.841.652