background image
Relatório Trimestral 2T11
Klabin lucra R$ 303 milhões no 1S11,
178% superior ao 1S10.
As demonstrações financeiras consolidadas da Klabin são apresentadas de acordo com as normas internacionais de
contabilidade (International Financial Reporting Standards - IFRS), conforme determinam as instruções CVM 457/07
e CVM 485/10. As informações dos períodos anteriores foram ajustadas para correta comparação.
2T11/1T11
2T11/2T10
6M11/6M10
Volume de vendas (mil t)
435
438
430
-1%
1%
873
863
1%
% Mercado Interno
66%
61%
70%
5 p.p.
-4 p.p.
64%
66%
-2 p.p.
Receita líquida
947
957
905
-1%
5%
1.904
1.750
9%
% Mercado Interno
78%
74%
79%
4 p.p.
-1 p.p.
76%
77%
-1 p.p.
Resultado Operacional (EBIT)
177
203
154
-13%
15%
380
303
26%
EBITDA
190
249
236
-24%
-19%
440
478
-8%
Margem EBITDA
20%
26%
26%
-6 p.p.
-6 p.p.
23%
27%
-4 p.p.
Lucro líquido
163
140
67
16%
142%
303
109
178%
Endividamento líquido
1.893
2.002
2.462
-5%
-23%
1.893
2.462
-23%
Endividamento líquido/EBITDA (UDM)
2,0 x
2,1 x
2,8 x
2,0 x
2,8 x
Investimentos
93
115
93
-19%
0%
209
139
51%
UDM - últimos 12 meses
6M11
6M10
R$ milhões
2T11
1T11
2T10
Nota: Algumas cifras dos quadros e gráficos apresentados poderão não expressar um resultado preciso em razão de arredondamentos.
Destaques do 2T11
·
O volume de vendas, excluindo madeira, se manteve estável em relação ao 1T11, apesar da
parada programada para manutenção na Unidade Monte Alegre, realizada em junho;
·
Participação das vendas no mercado interno, que foi de 61% no 1T11, subiu para 66%;
·
Receita líquida: R$ 947 milhões, 5% maior que o 2T10;
·
Excluindo-se os custos com parada para manutenção, a margem EBITDA apresentou redução de 3
pontos percentuais em relação ao 2T10;
·
Em 15/07/2011 foram pagos dividendos intermediários no montante de R$ 82 milhões.
Destaques do 1S11
·
Volume de vendas: 873 mil toneladas, 1% superior ao 1S10;
·
Receita líquida: R$ 1,9 bilhão, 9% maior que o 1S10;
·
Receita líquida mercado interno: R$ 1,5 bilhão, 8% superior ao 1S10;
·
Relação Dívida líquida / EBITDA que era de 2,8x em junho/10, caiu para 2,0x em junho/11.
Relações com investidores
Antonio Sergio Alfano
Luiz Marciano
Vinicius Campos
Daniel Rosolen
Lucia Reis
+55 11 3046-8401
Teleconferência de resultados
Português
Terça-feira, 02/08/11
10h00 (Brasília)
Tel: (11) 4688-6331
Senha: Klabin
Replay: (11) 4688­6312
Senha: 1339305
Inglês
Terça-feira, 02/08/11
11h00 (Brasília)
Tel: (11) 4688-6331
Senha: Klabin
Replay: (11) 4688­6312
Senha: 2621947
Teleconferência de resultados
Português
Terça-feira, 02/08/11
10h00 (Brasília)
Tel: (11) 4688-6331
Senha: Klabin
Replay: (11) 4688­6312
Senha: 1339305
Inglês
Terça-feira, 02/08/11
11h00 (Brasília)
Tel: (11) 4688-6331
Senha: Klabin
Replay: (11) 4688­6312
Senha: 2621947
background image
2
2
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Resumo do 2T11
A Klabin, maior produtora, exportadora e recicladora de papéis do Brasil, e líder nos mercados de papéis
e cartões para embalagens, embalagens de papelão ondulado, sacos industriais e madeira em toras
para serrarias e laminadoras, encerrou o segundo trimestre de 2011 com lucro líquido de R$ 163
milhões. O resultado foi 142% superior aos R$ 67 milhões, registrados no segundo trimestre de 2010, e
16% superior aos R$ 140 milhões, apurados no trimestre anterior.
No período, a empresa registrou EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações)
de R$ 190 milhões, com margem de 20%. A redução da margem EBITDA em relação ao 2T10 é
explicada pelo efeito da parada programada para manutenção, na unidade Monte Alegre, em Telêmaco
Borba (PR), e pela apreciação do real.
190
249
236
20%
26%
26%
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
35%
-
50
100
150
200
250
300
350
400
450
500
2T11
1T11
2T10
EBITDA e margem EBITDA
(R$ milhões)
163
140
67
2T11
1T11
2T10
Lucro líquido
(R$ milhões)
O volume vendido no segundo trimestre atingiu 435 mil toneladas, excluindo madeira, e manteve o
patamar registrado em igual período em 2010, em que o volume foi de 430 mil toneladas. Apesar da
parada para manutenção de Monte Alegre (PR), o volume total de vendas não sofreu variação
significativa em relação ao 1T11. Adicionalmente, a diversificação da linha de cartões da Klabin
compensou o enfraquecimento do mercado interno.
A Klabin encerrou o segundo trimestre de 2011 com uma receita líquida de R$ 947 milhões, 5% maior
que o valor registrado no segundo trimestre do ano anterior. Considerando o período de seis meses de
2011, a receita líquida atingiu R$ 1.904 milhões, valor que é 9% superior ao igual período de 2010.
O mercado interno foi responsável por 66% do volume de vendas no período, ante 61% no 1T11. A
receita líquida no mercado interno correspondeu a 78% do total. As exportações somaram R$ 205
milhões (US$ 128 milhões), valor que é 6% superior ao valor do segundo trimestre do ano passado.
Nos seis primeiros meses do ano, as exportações atingiram R$ 451 milhões (US$ 266 milhões),
representando crescimento de 11% em relação ao 1S10.
Volume de vendas (excluindo madeira)
(mil toneladas)
288
269
301
147
169
129
435
438
430
2T11
1T11
2T10
Receita líquida
(R$ milhões)
742
711
712
205
246
193
947
957
905
2T11
1T11
2T10
ME
MI
ME
MI
A Klabin mantém forte posição de caixa, com aplicações financeiras
(1)
que somavam R$ 2.691 milhões
ao final de junho de 2011. O montante supera em 3,1x o endividamento bruto de curto prazo.
O endividamento líquido no final de junho foi de R$ 1.893 milhões, redução de R$ 235 milhões na
comparação aos R$ 2.128 milhões ao final de dezembro de 2010. A relação dívida líquida/EBITDA, que
era de 2,2x em 31 de dezembro de 2010 caiu para 2,0x ao final de junho/11.
A Reunião Extraordinária do Conselho de Administração realizada no dia 21 de junho de 2011 aprovou o
pagamento de R$ 82 milhões em dividendos intermediários que foram pagos a partir de 15 de julho de
2011, sendo R$ 86,51 por lote de mil ações ordinárias e R$ 95,16 por lote de mil ações preferenciais.
(1) Inclui caixa e equivalente de caixa.
background image
3
3
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Mercados e Câmbio
No segundo trimestre de 2011 os agentes econômicos permaneceram atentos aos problemas fiscais dos
países desenvolvidos e ao controle da inflação nas economias emergentes.
Em um período de grandes incertezas, os mercados europeus não mostraram força durante os meses
de abril, maio e junho. O risco de moratória de alguns países participantes da Zona do Euro elevou as
expectativas negativas a respeito da velocidade da recuperação econômica na região. Ao final do
trimestre a Grécia recebeu apoio, após a mesma aprovar um grande programa de austeridade fiscal e
de privatizações. Tal medida, aliada à redução de gastos do governo em outros países, afastou
temporariamente o receio em relação ao agravamento da situação econômica em países europeus de
maior relevância, tais como a Itália.
Por conta da atividade industrial inexpressiva e do alto nível de desemprego nos Estados Unidos, o FED
reduziu a expectativa de crescimento para 2011. A difícil negociação entre o poder executivo americano
e o Congresso para aumentar o limite da dívida pública daquele país colaborou para o aumento da
volatilidade dos mercados no final do trimestre. Já a economia chinesa vem apresentando forte
crescimento, fato que continua fomentando preocupações com a inflação do país.
No Brasil, os indicadores de inflação começaram a apresentar sinais de desaceleração, reflexo de fatores
sazonais e das medidas adotadas pelo governo: ciclo de aumento da taxa Selic, política fiscal e medidas
macroprudenciais. O elevado nível da taxa de juros associado ao crescimento econômico superior aos
países desenvolvidos contribuíram para a continuidade do forte ingresso de moeda estrangeira no
Brasil. Apesar de algumas tentativas do Banco Central de controlar a valorização da moeda local, o real
apreciou novamente frente ao dólar durante o 2T11.
A taxa de câmbio (final venda) que era de R$ 1,63/US$ em 31 de março de 2011, depreciou 4% no
trimestre alcançando R$ 1,56/US$ ao final de junho de 2011. Em relação a 31 de dezembro de 2010, a
depreciação do dólar já acumula 6%. A taxa de câmbio média no 2T11 foi R$ 1,60/US$, 11% e 4%
inferior ao 2T10 e 1T11, respectivamente. No semestre a redução da taxa de câmbio média já acumula
9%, comparado aos 6M10.
2T11/1T11
2T11/2T10
6M11/6M10
Dólar médio
1,60
1,67
1,79
-4%
-11%
1,63
1,80
-9%
Dólar final
1,56
1,63
1,80
-4%
-13%
1,56
1,80
-13%
6M11
6M10
2T11
1T11
2T10
A demanda internacional de kraftliner se manteve estável durante o trimestre, porém a elevada oferta
norte americana pressionou os preços internacionais. Na Europa, segundo dados publicados pela FOEX,
o preço de lista médio do kraftliner brown 175 g/m² caiu de 599 / t em março para 582 /t em
junho. No trimestre o preço médio de lista do kraftliner apresentou crescimento de 23% em euros
quando comparado ao 2T10.
Conforme informações divulgadas pela Bracelpa (Associação Brasileira de Celulose e Papel), a expedição
brasileira de papelcartão, excluindo cartões para líquidos, atingiu 125 mil toneladas no 2T11. Embora
em patamar inferior ao ano passado, a demanda interna no trimestre apresentou crescimento de 5%
em relação ao 1T11, acompanhando a sazonalidade típica deste mercado.
O preço das aparas permaneceu estável durante os meses de abril e maio e apresentou leve queda
durante o mês de junho. Já o mercado brasileiro de papelão ondulado apresentou crescimento quando
comparado ao 1T11. Segundo dados divulgados pela ABPO (Associação Brasileira de Papelão Ondulado)
a expedição brasileira de caixas e chapas acumulou 810 mil toneladas de abril a junho, 7% superior ao
primeiro trimestre de 2011. No semestre a demanda interna de papelão ondulado permaneceu estável
em relação aos 6M10, acumulando 1.570 mil toneladas.
Dados preliminares do SNIC (Sindicato Nacional da Indústria do Cimento), que incluem expedições de
cimento a granel e ensacado, mostram que as vendas acumuladas de cimento no trimestre cresceram
6% em relação ao 1T11, sinalizando aquecimento do setor de construção civil.
Durante o trimestre, a Companhia permaneceu seletiva nas vendas de produtos convertidos, visando
melhor mix e mercados de melhores margens.
background image
4
4
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Desempenho operacional e econômico-financeiro
Volume de vendas
O volume de vendas no 2T11, sem incluir madeira, foi de 435 mil toneladas. Apesar da parada para
manutenção de Monte Alegre (PR), o volume vendido se mostrou estável ao 1T11. Com relação ao 1º
semestre de 2011, o volume de vendas totalizou 873 mil toneladas, 1% superior a igual período de
2010.
Afetado pelo arrefecimento da demanda brasileira, o volume de vendas no mercado interno atingiu 288
mil toneladas, 4% inferior ao 2T10. Em comparação ao 1T11, o aumento de 19 mil toneladas (7%)
acompanhou a sazonalidade típica do mercado doméstico de papéis. Nos 6 meses de 2011 o volume
vendido no Brasil foi de 557 mil toneladas, 2% inferior ao primeiro semestre de 2010.
O volume exportado no 2T11 totalizou 147 mil toneladas, 14% superior ao 2T10. No semestre as
exportações atingiram 316 mil toneladas, 8% acima de 6M10.
Receita Líquida
A receita líquida no 2T11, incluindo madeira, totalizou R$ 947 milhões. O aumento de 5% em relação ao
2T10 é explicado por maiores preços praticados no mercado interno. Quando comparada ao 1T11, a
receita apresentou redução de 1% devido à apreciação do real e à queda do preço internacional de
kraftliner. Nos seis meses de 2011, a receita líquida atingiu R$ 1.904 milhões, 9% superior a igual
período de 2010.
Cartões
Revest.
38%
Caixas
de P.O.
29%
Kraf tliner
24%
Sacos
Ind.
8%
Outros
1%
Volume de vendas por produto
6M11
não inclui madeira
435
438
430
873
863
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Volume de vendas
(mil t)
Mercado Interno
Mercado Externo
Total
66%
64%
36%
39%
61%
34%
66%
70%
34%
30%
Cartões
Revest.
34%
Caixas de
P.O.
31%
Kraf tliner
14%
Sacos
Indust.
12%
Madeira
7%
Outros
2%
Receita líquida por produto
6M11
inclui madeira
947
957
905
1.904
1.750
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Receita líquida
(R$ milhões)
Mercado Interno
Mercado Externo
78%
74%
79%
22%
26%
21%
76%
24%
77%
23%
78%
74%
79%
22%
26%
21%
76%
24%
77%
23%
background image
5
5
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
No mercado interno a receita líquida foi de R$ 742 milhões, 4% superior ao 2T10 e ao 1T11. A
participação do mercado interno na receita representou 78% no 2T11, versus 74% no trimestre
passado. No 1º semestre de 2011 a receita líquida no mercado interno atingiu R$ 1.453 milhões, 8%
superior a igual semestre de 2010.
As exportações no 2T11 totalizaram R$ 205 milhões (US$ 128 milhões), 6% superior ao 2T10 devido
aos maiores preços praticados no mercado internacional e 17% inferior ao 1T11, refletindo menores
volumes e queda da taxa de câmbio. No semestre a receita líquida no mercado externo foi de R$ 451
milhões (US$ 266 milhões), 11% superior ao mesmo período de 2010.
Exportações
A sazonalidade do mercado de papéis se mostrou presente durante o 2T11 e o percentual do volume de
vendas no mercado interno, que era de 61% no 1T11 subiu para 66%. Desta forma a Companhia
destinou menor volume ao mercado externo em relação ao trimestre passado.
A queda de 4% da taxa de câmbio durante o período refletiu menores preços em reais e, por fim, em
uma receita de exportação mais baixa quando comparada ao 1T11. Já em relação ao 2T10, as receitas
de exportação da Klabin cresceram devido aos aumentos de preços no mercado internacional, que
ocorreram durante o segundo semestre do ano passado.
O principal mercado para as exportações da Klabin continua sendo a América Latina, região responsável
por 47% do volume de vendas e 41% da receita líquida de exportação do primeiro semestre do ano,
seguida pela Ásia, onde se concentram as exportações de cartões para líquidos.
América
Latina
47%
Ásia
27%
Europa
17%
Áf rica
5%
América
do Norte
4%
Volume - 6M11
316 mil toneladas
América
Latina
41%
Ásia
30%
Europa
19%
Áf rica
6%
América
do Norte
4%
Receita líquida - 6M11
R$ 451 milhões
Custos e Despesas Operacionais
O custo caixa unitário do trimestre, considerando os custos fixos e variáveis e as despesas comerciais
e administrativas, atingiu R$ 1.742/t, 12% e 8% superior ao 2T10 e ao 1T11, respectivamente,
principalmente em função da parada programada para manutenção na fábrica de Monte Alegre (PR)
ocorrida em junho de 2011. Sem os custos da parada, o custo caixa unitário foi de R$ 1.645/t, 8% e
2% superior ao 2T10 e ao 1T11, respectivamente.
O custo dos produtos vendidos no 2T11 foi de R$ 773 milhões. Além dos custos fixos da parada para
manutenção de Monte Alegre (PR), o CPV do trimestre foi afetado pelo aumento do consumo de óleo
combustível, maiores gastos na compra de madeira de terceiros e aumento do custo de materiais para
embalar nossos produtos. No primeiro semestre de 2011 o CPV acumulou R$ 1.484 milhões, 7%
superior que o mesmo período do ano anterior.
As despesas com vendas foram de R$ 77 milhões, 11% inferior ao 1T11. A redução em relação ao
trimestre passado se deve principalmente à contabilização de gastos não recorrentes registrados
naquele trimestre. No 2T11 os fretes corresponderam a R$ 45 milhões, redução de R$ 2 milhões em
background image
6
6
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
relação ao 1T11, devido ao menor volume exportado. No semestre, as despesas com vendas atingiram
R$ 162 milhões, 9% superior ao primeiro semestre de 2010.
As despesas gerais e administrativas somaram R$ 57 milhões, 3% e 2% superior ao 2T10 e ao
1T11, respectivamente, explicado pela contratação de serviços de terceiros voltados à reorganização de
processos da Companhia. No semestre as despesas gerais e administrativas foram de R$ 112 milhões,
11% superior a igual período de 2010, impactado pelo dissídio coletivo e outros gastos não recorrentes
registrados no início do ano.
Outras receitas / despesas operacionais resultaram uma despesa de R$ 10 milhões no 2T11,
comparado a uma receita de R$ 4 milhões no 2T10. No semestre, outras receitas / despesas totalizaram
uma despesa de R$ 19 milhões, contra uma receita de R$ 5 milhões nos 6M10.
Efeito da variação do valor justo dos ativos biológicos
O efeito da variação do valor justo dos ativos biológicos na receita foi positivo em R$ 145 milhões
no 2T11, 63% e 34% superior ao 2T10 e 1T11, respectivamente. No semestre, o mesmo efeito
acumulou R$ 253 milhões, 44% superior ao 1S10.
Já o efeito da exaustão do valor justo dos ativos biológicos no custo dos produtos vendidos foi de
R$ 92 milhões no trimestre, 18% inferior ao 2T10 e 8% superior ao 1T11. No semestre, o efeito da
exaustão foi de R$ 177 milhões, 24% inferior ao 1S10.
Logo, o efeito da variação do valor justo dos ativos biológicos no resultado operacional (EBIT) foi
positivo em R$ 53 milhões no 2T11, comparado ao efeito positivo de R$ 23 milhões no 1T11 e efeito
negativo de R$ 23 milhões no 2T10.
Resultado Operacional
O resultado operacional antes do resultado financeiro (EBIT) foi de R$ 177 milhões, 15%
superior ao 2T10 e 13% inferior ao 1T11. No semestre o EBIT acumulou R$ 380 milhões, 26% superior
aos 6M10.
Geração operacional de caixa (EBITDA)
A geração operacional de caixa (EBITDA) foi de R$ 190 milhões, 19% e 24% inferior ao 2T10 e ao
1T11, respectivamente. A margem EBITDA foi de 20% no 2T11, comparada a 26% no 2T10 e no
1T11. No semestre o EBITDA totalizou R$ 440 milhões, com margem de 23%, versus R$ 478 milhões
em 2010, com margem de 27%.
O EBITDA do trimestre foi impactado pela queda da taxa de câmbio e pelos custos da parada
programada para manutenção em Monte Alegre (PR). Excluindo-se os custos fixos da parada para
manutenção, a margem EBITDA apresentou redução de 3 pontos percentuais em relação ao 2T10. Já a
queda da taxa de câmbio média de 11%, no mesmo período de comparação, reduziu a margem EBITDA
em mais 2 pontos percentuais.
Composição do EBITDA
R$ milhões
2T11/1T11
2T11/2T10
6M11/6M10
Resultado operacional (após financeiras)
246
237
109
4%
127%
483
176
174%
(+) Resultado financeiro
(69)
(34)
46
107%
-252%
(103)
126
N/A
(+) Depreciação, exaustão e amortização
159
154
171
3%
-7%
313
352
-11%
(-) Variação dos ativos biológicos
(145)
(108)
(89)
35%
63%
(253)
(177)
43%
EBITDA
190
249
236
-24%
-19%
440
478
-8%
Margem EBITDA
20%
26%
26%
-6 p.p.
-6 p.p.
23%
27%
-4 p.p.
N / A - Não aplicável
6M11
6M10
2T11
1T11
2T10
Endividamento e aplicações financeiras
O endividamento bruto em 30 de junho de 2011 era de R$ 4.584 milhões, comparado com R$ 4.857
milhões em 31 de dezembro de 2010. Da dívida total, R$ 2.701 milhões, ou 59% (US$ 1.730 milhões)
são denominados em moeda estrangeira, substancialmente pré-pagamentos de exportação.
background image
7
7
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
No final de junho as aplicações financeiras somavam R$ 2.691 milhões, superando em 3,1x o
endividamento bruto de curto prazo.
O endividamento líquido no final de junho era de R$ 1.893 milhões, comparado à R$ 2.128
milhões em dezembro de 2010, redução de R$ 235 milhões. A relação Dívida Líquida / EBITDA,
que em 31 de dezembro de 2010 era de 2,2x, encerrou junho/11 em 2,0x.
3
.
1
9
2
2
.
8
8
6
2
.
6
7
6
2
.
5
2
8
2
.
4
6
2
2
.
1
0
6
2
.
1
2
8
2
.
0
0
2
1
.
8
9
3
4,4
3,7
3,6
3,1
2,8
2,2
2,2
2,1
2,0
-2,0
-1,5
-1,0
-0,5
0,0
0,5
1,0
1,5
2,0
2,5
3,0
3,5
4,0
4,5
5,0
5,5
6,0
(500)
500
1.500
2.500
3.500
4.500
5.500
jun-09 set-09 dez-09 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11
Dívida Líquida
(R$ milhões)
Endividamento Líquido
Endividamento Liq. / EBITDA (UDM)
O prazo médio de vencimento dos financiamentos era de 39 meses, sendo 31 meses para os
financiamentos em moeda local e 46 meses para os financiamentos em moeda estrangeira. A dívida de
curto prazo no final de junho respondia por 19% do total.
O custo médio dos financiamentos em moeda local era de 7,9% a.a. e 3,8% a.a. em moeda estrangeira.
Endividamento (R$ milhões)
Curto prazo
865
19%
842
17%
Moeda local
515
11%
496
10%
Moeda estrangeira
350
8%
346
7%
Longo prazo
3.719
81%
4.015
83%
Moeda local
1.368
30%
1.506
31%
Moeda estrangeira
2.351
51%
2.509
52%
Endividamento bruto
4.584
100%
4.857
100%
Total moeda local
1.883
41%
2.002
41%
Total moeda estrangeira
2.701
59%
2.855
59%
(-) Disponibilidades
2.691
2.729
Endividamento líquido
1.893
2.128
Dívida líquida / EBITDA
2,0 x
2,2 x
30/06/11
31/12/10
Resultado Financeiro
O resultado financeiro no 2T11 foi positivo em R$ 69 milhões, versus um resultado negativo de R$ 46
milhões no 2T10. No semestre o resultado financeiro foi positivo em R$ 103 milhões decorrente de
despesas financeiras de R$ 211 milhões, mais do que compensadas por receitas financeiras de
R$ 153 milhões e variações cambiais líquidas positivas de R$ 161 milhões, tendo em vista a
apreciação do real de 6%.
Resultado Líquido
O lucro líquido no 2T11 foi de R$ 163 milhões, comparado com R$ 67 milhões reportados no 2T10 e
R$ 140 milhões no 1T11. No semestre o lucro líquido acumulou R$ 303 milhões, 178% superior a igual
período de 2010.
background image
8
8
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Evolução dos Negócios
Informações consolidadas por segmento operacional no 1S11
R$ milhões
Florestal
Papéis
Conversão
Eliminações
Total
Vendas Líquidas
Mercado Interno
141
520
792
-
1.453
Mercado Externo
-
409
42
-
451
Receita de terceiros
141
929
834
-
1.904
Receitas entre segmentos
232
412
7
(651)
-
Vendas Líquidas Totais
373
1.341
841
(651)
1.904
Variação valor justo ativos biológicos
253
-
-
-
253
Custo dos Produtos Vendidos
(418)
(1.050)
(667)
651
(1.484)
Lucro Bruto
208
291
174
-
673
Despesas Operacionais
(33)
(155)
(96)
(9)
(293)
Resultado Oper. antes Desp. Fin.
175
136
78
(9)
380
Nota: Nesta tabela, as vendas líquidas totais incluem a comercialização de outros produtos.
UNIDADE DE NEGÓCIO FLORESTAL
No 2T11 o volume de vendas de madeira para terceiros foi de 666 mil toneladas, redução de 22% e
10% em relação ao 2T10 e ao 1T11, respectivamente. No semestre o volume de vendas de madeira
totalizou 1.402 mil toneladas, 9% inferior a igual período de 2010. O volume de vendas de madeira foi
afetado por chuvas em excesso e dificuldades de transporte.
A receita líquida das vendas de toras de madeira para terceiros no 2T11 foi de R$ 64 milhões, 8% e 6%
inferior ao 2T10 e ao 1T11, respectivamente, devido ao menor volume de vendas. No semestre a
receita líquida atingiu R$ 132 milhões, 7% superior ao primeiro semestre de 2010.
64
68
69
132
123
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Receita líquida
(R$ milhões)
666
737
854
1.402
1.535
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Volume de vendas
(mil t)
Em junho as áreas plantadas, próprias e de terceiros, somavam 212 mil hectares, sendo 131 mil
hectares plantados com pinus e 81
mil hectares plantados com eucalipto. Além da área de plantio, a
Klabin possui 193 mil hectares de áreas de preservação permanente e reserva legal.
UNIDADE DE NEGÓCIO PAPÉIS
O volume de vendas de papéis e cartões revestidos (kraftliner, white top liner, testliner, sack kraft,
folding box board, carrier board e liquid packaging board) para terceiros foi de 263 mil toneladas no
2T11. No semestre o volume vendido totalizou 542 mil toneladas, 4% superior a igual período de 2010.
background image
9
9
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
No 1S11, o volume de vendas no mercado interno atingiu 240 mil toneladas, enquanto as exportações
somaram 302 mil toneladas. Em relação ao 1S10, o volume vendido no mercado interno apresentou
queda de 2%, enquanto as exportações mostraram crescimento de 9%.
A receita líquida de papéis e cartões totalizou R$ 438 milhões no 2T11, 7% superior ao 2T10. No
semestre, a receita de papéis totalizou R$ 911 milhões, 10% superior ao 1S10.
Kraftliner
O volume de vendas de kraftliner foi de 104 mil toneladas no 2T11, 22% superior ao 2T10. No semestre
o volume vendido totalizou 214 mil toneladas, 10% superior a igual período de 2010.
As vendas para o mercado interno atingiram 39 mil toneladas no 2T11 e responderam por 37% das
vendas totais desse produto, contra 53% no 2T10, quando houve formação de estoques por parte dos
consumidores por receio de redução de oferta. No semestre, as vendas de kraftliner no mercado interno
atingiram 71 mil toneladas, 2 mil toneladas abaixo do 1S10.
As exportações atingiram 65 mil toneladas no 2T11, acumulando 143 mil toneladas no semestre. O
aumento em relação ao 1S10 foi de 22 mil toneladas (19% superior).
A receita líquida de kraftliner atingiu R$ 127 milhões no 2T11, 22% maior que o 2T10 em função do
aumento do preço de lista desse produto e melhor mix de vendas. No semestre a receita líquida atingiu
R$ 268 milhões, 21% superior a igual período de 2010.
Segundo dados do FOEX, o preço lista médio em euros do kraftliner brown 175g/m² entregue na Europa
apresentou redução de 2% durante o segundo trimestre, alcançando média de 588/t. O preço lista em
reais atingiu média de R$ 1.352/t no 2T11, também 2% inferior ao 1T11. Já quando comparado ao
2T10, o preço lista de kraftliner em reais apresentou crescimento de 24%.
127
141
104
268
221
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Receita líquida
(R$ milhões)
104
111
85
214
195
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Volume de vendas
(mil t)
Mercado Interno
Mercado Externo
Kraftliner
29%
47%
37%
63%
71%
53%
67%
33%
62%
38%
Preço lista de kraftliner brown 175 g/m²
(/t e R$/t)
1.302
1.459
1.392
1.162
1.029
1.038
1.079
1.089
1.207
1.364
1.373
1.352
501
487
486
462
411
385
404
433
478
533
592
602
588
1.217
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
1T11
2T11
Média trimestral
Kraftliner ( / t)
Kraftliner (R$ / t)
Fonte: FOEX e BAC EN
background image
10
10
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Cartões
O volume de vendas de cartões no 2T11 atingiu 159 mil toneladas.
Apesar de dados divulgados pela Bracelpa (Associação Brasileira de Celulose e Papel) indicarem queda
da demanda no Brasil em relação ao 2T10, as vendas da Klabin permaneceram estáveis no mercado
interno, pois o aumento de volume de cartões para líquidos compensou a queda de folding box board e
carrier board. No semestre, o volume de vendas somou 327 mil toneladas, estável em relação a igual
período de 2010.
As exportações de cartões somaram 75 mil toneladas no 2T11, 6% e 11% inferior ao 2T10 e ao 1T11,
respectivamente, explicado pela busca de melhores margens neste segmento.
A receita líquida com a venda de cartões atingiu R$ 644 milhões no semestre, aumento de 5% em
relação ao primeiro semestre de 2010.
159
168
165
327
327
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Volume de vendas
(mil t)
Mercado Interno
Mercado Externo
53%
49%
47%
51%
50%
50%
49%
51%
48%
52%
312
332
307
644
611
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Receita líquida
(R$ milhões)
Conforme informações divulgadas pela Bracelpa, a expedição brasileira de papelcartão, excluindo
cartões para líquidos, atingiu 125 mil toneladas no 2T11. Embora o nível seja inferior ao ano passado, a
demanda interna no trimestre apresentou crescimento de 5% em relação ao 1T11, acompanhando a
sazonalidade típica deste mercado.
UNIDADE DE NEGÓCIO CONVERSÃO
O volume de vendas de produtos convertidos (papelão ondulado e sacos industriais) foi de 163 mil
toneladas no 2T11. No semestre o volume de vendas totalizou 316 mil toneladas, 2% inferior a igual
período de 2010.
A receita líquida de produtos convertidos totalizou R$ 429 milhões. No semestre a receita líquida atingiu
R$ 832 milhões, 9% superior ao mesmo semestre de 2010.
Papelão ondulado
A expedição de caixas de papelão ondulado da Klabin atingiu 129 mil toneladas no 2T11, 7% superior
ao 1T11. No semestre o volume de vendas atingiu 249 mil toneladas, 2% inferior aos 6M10. A redução
em relação ao ano anterior se deve ao atraso da safra de fumo e à busca de melhores margens neste
segmento.
A receita líquida do 2T11 totalizou R$ 308 milhões, 6% e 7% superior ao 2T10 e ao 1T11,
respectivamente. Nos 6 meses de 2011 a receita líquida atingiu R$ 596 milhões, 11% superior ao
mesmo período de 2010.
background image
11
11
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
As informações da Associação Brasileira do Papelão Ondulado ­ ABPO ­ indicam que a expedição de
caixas e chapas de papelão ondulado no 2T11 foi de 810 mil toneladas, estável em relação ao 2T10 e
7% superior ao 1T11. No semestre, a expedição foi de 1.570 mil toneladas, estável em relação ao
mesmo semestre de 2010.
248
249
232
212
232
251
265
249
271
268
266
253
270
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
1T11
2T11
Expedição brasileira de papelão ondulado
mil toneladas
Média trim estral
Volume m ensal
Fonte: ABPO
Nota: Em junho de 2011 a ABPO revisou os valores referentes à expedição de papelão ondulado divulgados anteriormente.
Sacos Industriais
O volume de vendas de sacos industriais do Brasil e Argentina, nos mercados interno e externo, no
2T11 foi de 34 mil toneladas, 6% inferior ao 2T10 e 4% superior ao 1T11. Nos 6M11 o volume de
vendas de sacos atingiu 67 mil toneladas, 4% inferior a igual período de 2010. Durante o trimestre, a
Companhia permaneceu seletiva nas vendas de sacos industriais, visando melhor mix e mercados de
melhores margens.
121
116
119
236
228
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Receita líquida
(R$ milhões)
34
33
36
67
70
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Volume de vendas
(mil t)
308
288
290
596
539
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Receita líquida
(R$ milhões)
129
121
135
249
254
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Volume de vendas
(mil t)
background image
12
12
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
A receita líquida no 2T11 foi de R$ 121 milhões, 1% e 4% superior ao 2T10 e ao 1T11,
respectivamente. Nos 6 meses de 2011 a receita líquida totalizou R$ 236 milhões, 4% superior a igual
período de 2010.
Dados preliminares do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC) e estimativas de mercado
indicam que as vendas de cimento para o mercado brasileiro no 2T11 atingiram 15,6 milhões de
toneladas, aumento de 6% quando comparado ao trimestre passado.
4,2
4,7
4,3
3,9
4,1
4,6
4,4
4,6
4,8
5,4
5,2
4,9
5,2
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
1T11
2T11
Consumo Nacional de Cimento
milhões de toneladas
Média trim estral
Consum o m ensal
Fonte: SNIC
Investimentos
Os investimentos realizados no trimestre foram distribuídos pelas Unidades da seguinte forma:
R$ milhões
2T11
1T11
2T10
6M11
6M10
Florestal
30
37
27
67
53
Papéis
51
74
49
125
62
Conversão
12
4
17
16
23
Outros
-
-
-
1
1
Total
93
115
93
209
139
Foram investidos R$ 93 milhões no trimestre com destaque para:
·
Nova caldeira de biomassa para Correia Pinto (SC) prevista para entrar em operação no início do
segundo trimestre de 2012. As obras civis estão próximas da conclusão.
·
Linha de transmissão em Monte Alegre (PR) com entrada em operação no 4T11.
·
Desgargalamento na evaporação de Otacílio Costa (SC), com objetivo de reduzir o consumo de
vapor.
·
Instalação de duas novas onduladeiras nas fábricas de papelão ondulado de Goiana (PE) e Jundiaí-
DI (SP).
·
Instalação de nova linha completa para a fabricação de sacos valvulados na fábrica de Lages (SC).
background image
13
13
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Mercado de capitais
Performance da ação
Ações preferenciais
600,9 milhões
Preço por ação (KLBN4)
R$ 5,80
Valor patrimonial da ação
R$ 5,60
Volume médio diário 2T11
R$ 15 milhões
Valor de mercado
R$ 5,2 bilhões
Em 30 de junho de 2011
No primeiro semestre de 2011, as ações preferenciais da Klabin (KLBN4) apresentaram desvalorização
de 1% enquanto o IBOVESPA apresentou redução de 10%. Nos últimos doze meses, as ações
preferenciais da Klabin (KLBN4) apresentaram valorização de 16% e o IBOVESPA apresentou aumento
de 2%.
j
u
n
1
0
j
u
l
1
0
a
g
o
1
0
s
e
t
1
0
o
u
t
1
0
n
o
v
1
0
d
e
z
1
0
j
a
n
1
1
m
a
r
1
1
a
b
r
1
1
m
a
i
1
1
j
u
n
1
1
Performance KLBN4 x Ibovespa
(base 100)
Klabin
Índice Ibovespa
116
102
100
No 2T11 as ações da companhia foram negociadas em todos os pregões da BM&FBOVESPA, registrando
cerca de 200 mil operações que envolveram 160 milhões de títulos e um volume médio diário negociado
de R$ 15 milhões, 32% superior ao mesmo trimestre de 2010 e 12% superior ao 1T11.
6
7
9
9
10
9
12
9
8
9
14
10
8
7
12
15
14
17
22
14
13
12
17
16
12
j
u
n
0
9
j
u
l
0
9
a
g
o
0
9
s
e
t
0
9
o
u
t
0
9
n
o
v
0
9
d
e
z
0
9
j
a
n
1
0
f
e
v
1
0
m
a
r
1
0
a
b
r
1
0
m
a
i
1
0
j
u
n
1
0
j
u
l
1
0
a
g
o
1
0
s
e
t
1
0
o
u
t
1
0
n
o
v
1
0
d
e
z
1
0
j
a
n
1
1
f
e
v
1
1
m
a
r
1
1
a
b
r
1
1
m
a
i
1
1
j
u
n
1
1
Volume médio diário
(R$ milhões/dia)
background image
14
14
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
As ações da Klabin também são negociadas no mercado norte-americano. Como ADRs Nível I, os títulos
são listados no OTC ("over-the-counter"), mercado de balcão, sob o código KLBAY.
O capital social da Klabin é representado por 918 milhões de ações, das quais 317 milhões de ações
ordinárias e 601 milhões de ações preferenciais. Até 30 de junho de 2011 a Companhia possuía 27,2
milhões de ações preferenciais em tesouraria.
Dividendos
A Reunião Extraordinária do Conselho de Administração realizada no dia 21 de junho de 2011 aprovou o
pagamento de R$ 82 milhões em dividendos intermediários que foram pagos a partir de 15 de julho de
2011, sendo R$ 86,51 por lote de mil ações ordinárias e R$ 95,16 por lote de mil ações preferenciais.
Até a data de publicação deste release já tinham sido pagos R$ 152 milhões em dividendos durante
2011.
Venda de ações preferenciais pelo BNDESPAR
Durante o segundo trimestre de 2011 o BNDESPAR vendeu 17,7 milhões ações preferenciais KLBN4 na
BM&FBovespa. Nos últimos 12 meses, a participação do banco caiu de 31% para 15% das ações
preferenciais da Companhia.
background image
15
15
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Teleconferência
Português

Terça-feira, 02 de agosto de 2011 ­ 10h00 (Brasília).
Senha:
Klabin
Telefone:
(11) 4688-6331
Replay:
(11) 4688­6312 ­ Senha: 1339305
Inglês
Tuesday, August 2
nd
, 2011 ­ 10:00 a.m. (EDT).
Password:
Klabin
Phone:
U.S. participants: 1-888-700-0802
International participants: 1-786-924-6977
Brazilian participants: (55 11) 4688-6331
Replay:
(55 11) 4688­6312 ­ Password: 2621947
Webcast
O áudio da Teleconferência também será transmitido pela internet.
The conference call will also be broadcasted by internet.
Acesso/Access: www.ccall.com.br/klabin


























Com uma receita bruta de R$ 4,4 bilhões, em 2010, a
Klabin
é a maior produtora integrada,
exportadora e recicladora de papel para embalagem do Brasil, com capacidade de produção de 1,9
milhão de toneladas anuais de produtos. A Companhia definiu como enfoque estratégico a atuação nos
seguintes negócios: papéis e cartões revestidos para embalagens, caixas de papelão ondulado, sacos
industriais e madeira em toras. Lidera todos os mercados em que atua.
Declarações contidas neste comunicado relativas à perspectiva dos negócios da Companhia, projeções de resultados
operacionais e financeiros e, ao potencial de crescimento da Companhia constituem-se em meras previsões e foram
baseadas nas expectativas da Administração em relação ao futuro da Companhia. Essas expectativas são altamente
dependentes de mudanças no mercado, no desempenho econômico geral do Brasil, na indústria e nos mercados
internacionais, estando, portanto, sujeitas à mudança.
background image
16
16
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Anexo 1
Demonstração do Resultado Consolidado
(R$ mil)
2T11
1T11
2T10
1S11
Receita Bruta
1.145.202
1.144.430
1.096.044
2.289.632
2.118.518
Receita Líquida
947.447
957.005
905.399
1.904.452
1.749.784
100,0%
100,0%
100,0%
100,0%
Variação valor justo dos ativos biológicos
145.084
107.807
89.029
252.891
176.552
Custo dos Produtos Vendidos
(772.704)
(711.334)
(716.771)
(1.484.038)
(1.382.176)
81,6%
74,3%
79,2%
77,9%
Lucro Bruto
319.827
353.478
277.657
673.305
544.160
33,8%
36,9%
30,7%
35,4%
Vendas
(76.652)
(85.750)
(72.726)
(162.402)
(145.291)
8,1%
9,0%
8,0%
8,5%
Gerais & Administrativas
(56.715)
(55.341)
(54.906)
(112.056)
(100.840)
6,0%
5,8%
6,1%
5,9%
Outras Rec. (Desp.) Oper.
(9.603)
(9.124)
4.260
(18.727)
4.725
1,0%
1,0%
0,5%
1,0%
Total Despesas Operacionais
(142.970)
(150.215)
(123.372)
(293.185)
(241.406)
15,1%
15,7%
13,6%
15,4%
Resultado Oper. antes Desp. Fin.
176.857
203.263
154.285
380.120
302.754
18,7%
21,2%
17,0%
20,0%
Despesas Financeiras
(116.888)
(93.923)
(76.170)
(210.811)
(157.925)
12,3%
9,8%
8,4%
11,1%
Receitas Financeiras
84.090
68.753
56.040
152.843
101.213
8,9%
7,2%
6,2%
8,0%
Variações Cambiais Líquidas
102.273
58.728
(25.595)
161.001
(69.599)
10,8%
6,1%
2,8%
8,5%
Financeiras Líquidas
69.475
33.558
(45.725)
103.033
(126.311)
7,3%
3,5%
5,1%
5,4%
Lucro antes I.R. Cont. Social
246.332
236.821
108.560
483.153
176.443
26,0%
24,7%
12,0%
25,4%
Prov. IR e Contrib. Social
(76.956)
(87.842)
(37.095)
(164.798)
(60.105)
8,1%
9,2%
4,1%
8,7%
Lucro Líquido
169.376
148.979
71.465
318.355
116.338
17,9%
15,6%
7,9%
16,7%
. Atribuido aos acionistas controladores
163.143
140.202
67.344
303.345
108.927
17,2%
14,7%
7,4%
15,9%
. Atribuido aos acionistas não controladores
6.233
8.777
4.121
15.010
7.411
0,7%
0,9%
0,5%
0,8%
Depreciação/Amortização/Exaustão
158.630
153.894
170.933
312.524
352.066
16,7%
16,1%
18,9%
16,4%
Variação valor justo dos ativos biológicos
(145.084)
(107.807)
(89.029)
(252.891)
(176.552)
EBITDA
190.403
249.350
236.189
439.753
478.268
20,1%
26,1%
26,1%
23,1%
% da receita líquida
1S11
1S10
2T11
2T10
1T11
background image
17
17
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Anexo 2
Balanço Patrimonial Consolidado
(R$ mil)
Ativo
jun-11
mar-11
dez-10
Passivo e Patrimônio Líquido
jun-11
mar-11
dez-10
Ativo Circulante
4.071.892
4.015.790
4.127.147
Passivo Circulante
1.853.435
1.673.997
1.690.913
Caixa e bancos
56.266
19.063
39.880
Empréstimos e Financiamentos
865.989
847.781
842.121
Aplicações financeiras
2.425.784
2.415.810
2.491.225
Fornecedores
243.767
272.144
269.839
Títulos e valores mobiliários
209.180
203.465
198.222
Imposto de renda e contribuição social
32.057
10.724
37.013
Clientes
761.492
770.979
753.961
Impostos a recolher
48.095
40.387
40.669
Estoques
462.546
475.446
460.128
Salários e encargos sociais
88.053
64.903
93.542
Impostos e contribuições a recuperar
108.068
86.880
131.102
Dividendos a pagar
81.998,00
Outros
48.556
44.147
52.629
Dividendos a pagar - minoritários
2.584
Provisão REFIS
433.313
373.182
349.340
Outros
60.163
64.876
55.805
Não Circulante
5.201.149
5.232.998
5.415.828
Empréstimos e Financiamentos
3.717.987
3.793.117
4.014.976
Imp Renda e C.social diferidos
1.318.502
1.275.130
1.235.635
Não Circulante
8.311.865
8.205.125
8.134.096
Outros
164.660
164.751
165.217
Realizável a Longo Prazo
Impostos a compensar
147.481
132.915
131.621
Patrim.Líquido - acionistas controladores
5.142.031
5.132.943
4.994.085
Depósitos judiciais
97.279
91.989
90.698
Capital Social Realizado
1.500.000
1.500.000
1.500.000
Outros
150.059
127.431
125.678
Reservas de Capital
84.491
84.491
84.491
Investimentos
11.542
11.542
11.542
Reservas de Reavaliação
51.047
51.224
51.404
Imobilizado
5.017.980
5.026.761
5.004.023
Reservas de Lucros
2.554.822
2.543.502
2.365.900
Ativos biológicos
2.880.325
2.806.819
2.762.879
Ajustes de avaliação Patrimonial
1.080.024
1.082.079
1.120.643
Intangível
7.199
7.668
7.655
Ações em Tesouraria
(128.353)
(128.353)
(128.353)
Patrim.Líquido - atribuido aos não controladores
187.142
180.977
160.417
Ativo Total
12.383.757
12.220.915
12.261.243
Passivo Total
12.383.757
12.220.915
12.261.243
background image
18
18
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Anexo 3
Cronograma de Resgate dos Financiamentos ­ 30/06/11
Custo Médio
Prazo Médio
Moeda Local
7,9 % a.a.
31 meses
Moeda Estrangeira
3,8 % a.a.
46 meses
Dívida Bruta
39 meses
R$ milhões
3T11
4T11
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
Depois de
2020
Total
Bndes
91
235
326
300
293
327
60
30
40
21
3
1.726
Outros
0
9
17
18
21
31
25
11
12
6
5
156
Moeda Nacional
92
244
342
318
314
358
85
41
51
28
8
1.883
Pré Pagamento
64
90
375
431
316
246
96
156
187
163
52
2.175
Financ. de Ativo Fixo
2
2
6
6
5
5
3
4
7
4
-
43
Outros
30
2
41
61
59
59
114
-
-
39
79
483
Moeda Estrang.
96
94
422
498
380
309
213
160
193
206
131
2.702
End. Bruto
188
338
764
816
694
668
298
201
245
234
139
4.584
R$ milhões
92
244
342
318
314
358
85
41
51
28
8
96
94
422
498
380
309
213
160
193
206
131
188
338
764
816
694
668
298
201
245
234
139
3T11
4T11
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
Depois
de 2020
Moeda Nacional
Moeda Estrang.
Moeda
Estrang.
2.702
Moeda
Nacional
1.883
End. Bruto
4.584
background image
19
Resultados 2T11 ­ 01 de agosto de 2011
Anexo 4
Demonstração do Fluxo de Caixa Consolidado
(R$ mil)
2T11
1S11
2T10
1S10
Caixa Líquido Atividades Operacionais
150.502
302.066
237001
464.172
Caixa Gerado nas Operações
139.210
275.174
192917
350.077
Lucro líquido do período atribuido aos controladores
163.143
303.345
67.344
108.927
Lucro líquido do período atrib. aos acionistas não controladores
6.233
15.010
4.121
7.411
Depreciação e amortização
58.430
116.320
53.404
107.621
Exaustão de ativos biológicos
100.200
196.204
117.531
244.447
Variação Valor justo - ativos biológicos
(145.084)
(252.891)
(89.028)
(176.551)
Imp de renda e contrib social diferidos
41.196
78.321
13.332
16.950
Juros e var cambial sobre financiamentos
(56.295)
(59.198)
92.090
205.449
Pagamento de juros de empréstimos e financiamentos
(60.390)
(127.710)
(59.410)
(155.273)
Imp de renda e contrib social pagos
(26.128)
(82.550)
(7.576)
(10.258)
Provisão de juros - REFIS
50.206
74.048
2.551
5.359
Outras
7.699
14.275
(1.442)
(4.005)
Variações nos Ativos e Passivos
11.292
26.892
44084
114.095
Clientes
11.991
(9.046)
(46.634)
(82.079)
Estoques
12.900
(2.418)
(2.207)
2.019
Impostos a recuperar
6.601
105.951
24.500
100.875
Títulos e valores mobiliários
(5.715)
(10.958)
89
21.541
Despesas antecipadas
(469)
6.000
(4.372)
(1.348)
Demais contas a receber
(31.812)
(32.889)
4.084
2.003
Fornecedores
(28.508)
(26.072)
32.954
60.929
Impostos a recolher
29.041
2.470
24.458
51.051
Salários, férias e encargos sociais
23.150
(5.489)
23.008
3.767
Demais contas a pagar
(5.887)
(657)
(11.796)
(44.663)
Caixa Líquido Atividades de Investimento
(93.018)
(206.621)
(97.565)
(142.620)
Aquisição de bens do ativo imobilizado,liq de impostos
(64.719)
(148.061)
(70.965)
(93.000)
Aquisição de ativos biológicos,líquidos de impostos
(28.622)
(60.759)
(26.657)
(45.776)
Venda de ativos
323
2.199
57
633
Outras
(4.477)
Caixa Líquido Atividades Financiamento
(10.307)
(144.500)
(105.127)
18.595
Captação de financiamentos
213.062
214.398
68.136
445.615
Amortização de financiamentos
(153.299)
(300.611)
(131.774)
(391.197)
Integ.de capital em controladas por não controladores
145
12.652
17.049
23.564
Aquisição de participação capital de não controladores
(170)
(894)
(1.536)
(2.385)
Dividendos pagos aos acionistas controladores
(70.002)
(70.002)
(57.002)
(57.002)
Dividendos pagos aos acionistas minoritários
(43)
(43)
Aumento(Redução) de Caixa e Equivalentes
47.177
(49.055)
34.309
340.147
Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes
2.434.873
2.531.105
2.147.490
1.841.652
Saldo Final de Caixa e Equivalentes
2.482.050
2.482.050
2.181.799
2.181.799